Confrontos levam à retirada de peregrinos xiitas em Kerbala

Pelo menos 26 pessoas morreram nas últimas 48 horas durante a onda de violência em festival religioso

Agências internacionais, REUTERS

28 de agosto de 2007 | 07h49

A polícia iraquiana impôs nesta terça-feira um toque de recolher e ordenou a partida de mais de um milhão de peregrinos depois de pelo menos 26 pessoas terem morrido em dois dias de violência durante um festival religioso xiita celebrado na cidade sagrada de Kerbala.   Veja também:  Brown descarta retirada de tropas britânicas do Iraque   O comando da polícia local tomou a decisão depois de uma intensa troca de tiros ter sido iniciada hoje no centro de Kerbala. Os problemas começaram na segunda-feira, quando policiais e peregrinos entraram em choque.   Inicialmente, as informações disponíveis eram de que os participantes do festival estavam aparentemente incomodados com o rigoroso esquema de segurança. Mais tarde, um funcionário do Ministério de Interior acusou o Exército Mahdi, milícia financiada pelo clérigo xiita Muqtada al-Sadr, de ter atacado forças do governo no centro de Kerbala.   As forças de al-Sadr estão em conflito com o rival Conselho Supremo para a Revolução Islâmica no Iraque (CSRII) no sul do país.   O tiroteio desta terça ocorreu em uma área próxima dos dois maiores santuários xiitas da cidade. A ordem para que os peregrinos fossem embora ocorreu antes do ápice das celebrações, previsto para ocorrer entre a noite desta terça e a manhã de quarta-feira.   Autoridades disseram que homens armados entraram em conflito com a polícia perto da mesquita de Imã Abbas, um dos templos mais sagrados para os muçulmanos xiitas. A situação foi descrita como muito tensa.   Um fotógrafo da Reuters afirmou que viu dois corpos sendo carregados por peregrinos. Um repórter da Reuters disse que podia ouvir sons de contínuo tiroteio perto das mesquitas.   Os peregrinos estão celebrando o nono século de nascimento de Muhammad al-Mahdi, o último dos 12 imãs xiitas reverenciados como santos e aquele que eles acreditam nunca ter morrido e que vai retornar para salvar a humanidade.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUENOVOSCONFRONTOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.