Conselho de Segurança condena aumento da violência no Oriente Médio

Se Israel não cessar os ataques contra a população palestina, o recém iniciado processo de paz sairá novamente dos trilhos

EFE

02 de março de 2008 | 06h09

O Conselho de Segurança da ONU condenou neste domingo o aumento da violência entre palestinos e israelenses, e decidiu se reunir de novo na próxima segunda-feira para abordar a situação do Oriente Médio. "Os membros do Conselho estão profundamente preocupados com a perda de vidas civis no sul de Israel e na Faixa de Gaza e condena a escalada da violência que teve lugar", leu o presidente rotativo do órgão, o embaixador da Rússia, Vitaly Churkin. Durante sua reunião de urgência, o principal órgão de decisões da ONU analisou uma proposta de resolução, apresentada pela Líbia em nome do grupo árabe que condena os ataques israelenses e pede a imediata cessação de todos os atos violentos. Nessa proposta, que será analisada de novo na reunião do dia 3 de março, também se pede que parem os ataques com mísseis, assim como "o respeito por todas as partes do cessar-fogo". Churkin, cujo país assume em março a Presidência rotativa do Conselho, ressaltou à imprensa que os países pediam também "a todas as partes que respeitem suas obrigações sob a lei internacional". O representante palestino, Riyad Mansour, assinalou ao término da reunião do principal órgão de decisões da ONU, que a Autoridade Palestina queria que "o Conselho reagisse e parasse os assassinatos de civis". Além disso, advertiu que se Israel não cessar os ataques contra a população civil palestina, o recém iniciado processo de paz sairá novamente dos trilhos. Anteriormente, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, tinha condenado os ataques israelenses contra a Faixa de Gaza considerando-os como "excessivos e desproporcionais", assim como os lançados pelos radicais palestinos contra cidades e civis de Israel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.