Conselho de Segurança pede cessar-fogo imediato em Gaza

Resolução fala em retirada das tropas israelenses e entrada de ajuda humanitária; EUA se abstêm

Agências internacionais,

09 de janeiro de 2009 | 01h45

O Conselho de Segurança da Onu aprovou uma resolução nesta quinta-feira, 8, que pede uma trégua imediata e duradoura entre Israel e o Hamas. O texto fala ainda na retirada das tropas israelenses e a entrada, sem empecilhos, de ajuda humanitária no território palestino. Um ataque de Israel contra a Cidade de Gaza deixou pelo menos seis mortos.   Veja também: Anistia Internacional condena Israel e Hamas  É 'inaceitável' não poder distribuir ajuda em Gaza, diz ONU Brasil despacha ajuda; Amorim visitará Oriente Médio  'Crianças crescem em bunkers', diz brasileiro em Israel Hamas mata colaboradores e membros do Fatah, diz jornal Mísseis do Líbano contra Israel ameaçam 2º front da guerra Embaixador brasileiro no Egito fala da negociação entre Hamas e Egito  Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Brasileiros que vivem na região falam sobre o conflito Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques        A votação foi 14-0, com a abstenção dos Estados Unidos. O acordo acontece após três dias de intensas negociações entre ministros arábes e as potências ocidentais, sendo que Estados Unidos, Grã-Bretanha e França possuíam poder de veto.   Os Estados Unidos se abstiveram de votar porque desejam ver primeiro o resultado da mediação egípcia, disse a secretária de Estado, Condoleezza Rice. Apesar da abstenção, Rice disse que os Estados Unidos dão suporte o conteúdo da resolução.   O texto "reforça a urgência de e convoca para um cessar-fogo imediato, durável e integralmente respeitado, levando à completa retirada das forças israelenses de Gaza". A resolução determina ainda o "fornecimento desimpedido e a distribuição através de Gaza da assistência humanitária, incluindo alimentos, combustível e tratamento médico".   A Resolução 1860 também "condena toda a violência e as hostilidades dirigidas contra civis e todos os atos de terrorismo". No texto, o Conselho de Segurança "saúda a iniciativa egípcia", referindo-se à proposta de trégua apresentada na terça-feira pelo presidente egípcio, Hosni Mubarak, além de "outros esforços regionais e internacionais que estão sendo empreendidos". Mubarak convidou Israel e os palestinos a se reunirem no Cairo para negociar as condições de uma trégua, a segurança das fronteiras de Gaza, a reabertura das passagens e a suspensão do bloqueio de Israel à Faixa de Gaza.   "Nosso trabalho é respaldar os esforços para a paz no terreno e fazer com que as palavras da resolução mudem a situação" disse o chanceler britânico, David Miliband.   Há 14dias Israel lançou uma ofensiva aérea e terrestre contra o grupo extremista islâmico Hamas, que governa Gaza e lança foguetes contra o sul do território israelense. Os ataques continuaram na madrugada desta sexta-feira (horário de Brasília). Aviões israelenses lançaram bombas nos arredors da Cidade de Gaza, disseram moradores. Segundo médicos palestinos, uma casa foi atingida em Beit Lahiya, norte da cidade, matando seis palestinos da mesma família.   As nações árabes participantes insistiam em uma resolução própria, a qual exigia o fim de toda atividade militar em Gaza, que foi revisada para mencionar o Hamas e solicitar uma força internacional para impedir o contrabando de armas para o grupo extremista, duas exigências dos Estados Unidos.   As modificações no texto árabe não satisfizeram as demandas dos Estados Unidos e de seus aliados ocidentais chaves, Grã-Bretanha e França.   "Seguimos trabalhando arduamente. Estamos fazendo progressos", disse Rice, antes do anúncio do acordo.   Em Washington, o Senado aprovou por unanimidade uma resolução que reiterou seu "compromisso inquebrável" com Israel e seu direito de se defender, ao mesmo tempo que pediu a criação de "um estado palestino viável e independente que viva em paz junto a um Estado de Israel seguro". A Câmara dos Representantes seguramente aprovará nesta sexta-feira uma medida similar.   Uma delegação de Israel chegou nesta quinta-feira ao Cairo e conversou com autoridades egípcias sobre uma iniciativa dos presidentes do Egito e da França, que prevê uma trégua temporária. Hamas, sem mencionar sua possível presença no Cairo, disse que tem reservas substanciais sobre o plano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.