Conselho do Irã confirma vitória de Ahmadinejad em eleição

Anúncio foi feito após a recontagem de 10% das urnas, escolhidas ao acaso; oposição reclama de fraude

29 de junho de 2009 | 14h34

O Conselho dos Guardiães, principal órgão eleitoral do Irã, afirmou nesta segunda-feira, 29, que a eleição do dia 12 no país foi válida. O anúncio foi feito após uma recontagem parcial dos votos. Os resultados oficiais apontaram para a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad. Partidários da oposição, porém, reclamam de fraudes generalizadas.

 

Veja também:

video TV Estadão: Editor do 'Estado' Eduardo Barella fala sobre a crise

som Podcast: Enviado do "Estado" no Irã comenta dificuldades da imprensa

som Podcast: Pedro Dória explica como manifestantes driblam censura no Irã

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

lista Tudo o que foi publicado sobre a crise eleitoral no Irã 

 

Segundo a televisão estatal, o citado órgão - que deve validar os resultados - não encontrou grandes irregularidades, após fazer uma apuração parcial que afetou 10% das urnas, escolhidas ao acaso. "O secretário-geral do Conselho, aiatolá Ahmad Jannti, informou por carta tanto ao Ministério do Interior quanto aos candidatos" derrotados, afirmou a fonte.

 

Poucas horas antes que a citada apuração começasse "frente às câmeras da televisão estatal", um dos aspirantes derrotados, o reformista Mehdi Karroubi, voltou a insistir em que a única solução aceitável é a repetição das eleições. Uma postura compartilhada também pelo reformista Mir Hussein Mousavi, o vencedor do pleito, segundo a oposição, que denunciou uma fraude "em massa e premeditado" a favor de Ahmadinejad e não aceita a apuração Ambos rejeitaram esta semana participar de uma comissão especial proposta pelo próprio Conselho para supervisionar o processo de recontagem dos votos, ao considerar que não poderia ser "imparcial".

 

O Conselho de Guardiães admitiu na semana passada que houve irregularidades - como o fato de que, em 50 cidades, tenha havido mais votos que eleitores recenseados -, mas disse que era algo "habitual" em qualquer processo eleitoral, por isso descartou a exigência da oposição de novas eleições. "A apuração acontece em frente às câmeras de televisão em várias províncias e cidades do país, e seu resultado será divulgado", disse o porta-voz do Conselho, Abbas Ali Khadkhodai.

 

A televisão estatal "Press TV" transmitiu ao vivo o processo em um distrito em Teerã, onde foram abertas 34 urnas que deram, segundo o representante do Conselho de Guardiães, "um balanço positivo, sem grandes irregularidades".

 

Os protestos após a eleição já deixaram pelo menos 20 mortos no país, segundo informações oficiais, sendo 17 manifestantes e sete membros da milícia pró-governo Basij. Os números não podem ser confirmados, por causa das restrições impostas ao trabalho da imprensa internacional. A oposição exige uma nova eleição e rejeita a recontagem parcial.

Tudo o que sabemos sobre:
Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.