Conselho inicia recontagem parcial de votos no Irã

Apenas 10% das urnas serão verificadas; primeiros resultados dão mais votos para Mahmoud Ahmadinejad

Reuters,

29 de junho de 2009 | 09h55

O Conselho dos Guardiães, principal órgão eleitoral do Irã, começou nesta segunda-feira, 29, uma recontagem parcial dos votos apurados na controvertida eleição presidencial do país, segundo a emissora de TV estatal. A recontagem abrange 10% das urnas eleitorais. O candidato derrotado da oposição Mir Hussein Mousavi rejeitou a ação, dizendo que toda a eleição deveria ser anulada.

 

Veja também:

Irã liberta cinco funcionários britânicos

video TV Estadão: Editor do 'Estado' Eduardo Barella fala sobre a crise

som Podcast: Enviado do "Estado" no Irã comenta dificuldades da imprensa

som Podcast: Pedro Dória explica como manifestantes driblam censura no Irã

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

lista Tudo o que foi publicado sobre a crise eleitoral no Irã 

 

A recontagem começou em 22 distritos em Teerã, assim como em províncias, informou a televisão estatal al-Alam. Em uma alusão mais cedo de que o processo não colocaria em dúvida a vitória do presidente Mahmoud Ahmadinejad na eleição, a agência de notícias Irna informou que, até o momento, a recontagem em um distrito de Teerã deu mais votos a ele do que no dia da eleição em 12 de junho.

 

A Irna informou que a recontagem começou na província ocidental do Curdistão. A agência Mehr News disse que também ela estava ocorrendo na cidade de Karaj, a oeste de Teerã, na presença de autoridades locais. Não ficou claro quando seriam divulgados os resultados da recontagem.

 

Os resultados oficiais divulgados um dia após a eleição de 12 de junho mostraram que Ahmadinejad venceu com uma maioria esmagadora, incitando por dias protestos na ruas pelos partidários de Mousavi, que diz que a eleição foi fraudada.

 

Os 12 membros do Conselho de Guardiães darão seu veredicto final sobre a eleição até a noite desta segunda-feira. A possibilidade de anular a eleição foi repetidamente excluída, sob alegação de que não houve quaisquer grandes irregularidades.

 

A contestada eleição e suas turbulentas consequências têm dividido instituições políticas no Irã e levado o país a mais profunda crise desde a Revolução Islâmica de 1979. A mídia estatal diz que 20 pessoas morreram nos conflitos após a eleição.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.