Alexander Nemenov/AP
Alexander Nemenov/AP

Cresce frustração por impasse no diálogo nuclear com o Irã

Estados Unidos e aliados querem que país restrinja atividades de enriquecimento de urânio

Reuters, REUTERS

19 de junho de 2012 | 11h41

MOSCOU - O Irã e potências mundiais trocaram acusações nesta terça-feira, 19, pela falta de progressos nas discussões envolvendo o programa nuclear iraniano, reduzindo as esperanças de um acordo que evite uma nova guerra no Oriente Médio.

Veja também:

linkIrã mantém reunião 'intensa' com potências, mas sem acordo

linkIrã pode interromper enriquecimento de urânio em troca de combustível

linkPotências discutem programa nuclear do Irã em Moscou

No segundo e último dia das discussões em Moscou, o clima é de frustração pela continuidade de um impasse que já dura dez anos.

Os EUA e seus aliados querem que o Irã restrinja suas atividades de enriquecimento de urânio, cujo desenvolvimento pode levar à produção de armas atômicas. O Irã, porém, insiste no caráter pacífico das suas atividades, diz ter o direito legítimo de enriquecer urânio, e pede a retirada de sanções internacionais às quais o país hoje está submetido.

"Não viemos a Moscou só para discussões, viemos a Moscou para uma resolução. Mas acreditamos que o outro lado não está preparado para alcançar uma resolução", disse um diplomata iraniano.

Um diplomata ocidental disse na noite de segunda-feira que o Irã precisa dar respostas mais claras às propostas feitas pelas seis potências envolvidas nas negociações (EUA, China, Rússia, França, Grã-Bretanha e Alemanha). "Nossas principais exigências são: parem (o enriquecimento), fechem (a usina de enriquecimento de Fordow) e embarquem (os atuais estoques de urânio enriquecido)".

Mas um funcionário iraniano disse que sua delegação apresentou propostas detalhadas na segunda-feira, às quais as seis potências responderam laconicamente. "Nossa sensação é de que a pauta que esse grupo está seguindo não é adequada para os argumentos que o Irã está apresentando", disse o funcionário. "Acreditamos que estamos em uma encruzilhada. E hoje o outro lado tem de escolher um caminho."

O vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, disse à Reuters que a diplomacia ainda pode ser resgatada. "Não acho que nada irá se partir. Teremos um resultado razoável", disse Ryabkov à Reuters.

Essa foi a terceira rodada de discussões entre as seis potências e o Irã desde abril, após um hiato de 15 meses, período em que o Ocidente intensificou suas sanções ao Irã, e Israel repetiu suas ameaças de bombardear instalações nucleares iranianas.

Mais conteúdo sobre:
Irãnegociaçãonuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.