Crise humanitária em Gaza é a pior em 40 anos, diz relatório

O bloqueio de Israel na Faixa de Gazacriou a pior crise humanitária desde o início da ocupaçãoisraelense, em 1967, informaram grupos médicos e de direitoshumanos. Falta de alimentos, saúde em frangalhos e sistemas de águae de esgoto que estão perto do colapso fazem parte do dia-a-diade 1,5 milhão de palestinos na área controlada pelo Hamas,informou o relatório de uma coalizão de grupos de ajudabritânicos. "O esgoto está literalmente despejando nas ruas", disseGeoffrey Dennis, chefe da CARE International, uma das oitoorganizações não-governamentais que fizeram o relatório. "Nas últimas três semanas nós pudemos apenas mandar comidae remédios e a dependência de ajuda está aumentando." Israel impôs restrições sobre o fluxo de pessoas e artigosnecessários e virtualmente congelou a atividade econômica emjunho passado, quando o islâmico Hamas tomou o controle deGaza. O bloqueio foi aumentado em janeiro, com a limitação doabastecimento de combustível e de outros produtos no que foidescrito como uma resposta de Israel aos foguetes disparadospor militantes. O relatório mostra um quadro no qual uma localidade afetadapelo embargo, que piorou a pobreza e o desemprego na região,afetou pesadamente os serviços educacionais e tornou 1,1 milhãode pessoas --80 por cento da população-- dependente de ajuda. Segundo o relatório, os hospitais sofrem com cortes deenergia diariamente, algumas vezes por até 12 horas, devido àsrestrições sobre combustível e eletricidade impostas porIsrael. (Por Tim Large)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.