Decisão de Israel de tomar mas terras na Cisjordânia é deplorável, diz Grã-Bretanha

Segundo secretário de relações exteriores, decisão irá causar um estrago sério na posição de Israel na comunidade internacional

REUTERS

01 de setembro de 2014 | 10h55

O governo britânico declarou nesta segunda-feira ter deplorado a decisão de Israel de se apropriar de uma vasta porção de terra na Cisjordânia, território sob ocupação israelense, dizendo que o gesto irá prejudicar seriamente a reputação internacional do Estado judeu.

Israel anunciou no domingo a apropriação de terras no assentamento judaico de Etzion, perto de Belém, medida que um grupo anti-assentamento afirmou ter sido a maior do gênero em 30 anos.

“A Grã-Bretanha deplora a expropriação de 988 acres de terra em torno do assentamento de Etzion realizada pelo governo israelense”, informou o secretário das Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, em um comunicado que endossou os pedidos norte-americanos de revisão da decisão.

“Esta é uma decisão particularmente insensata, que chega em momento no qual a prioridade deve ser o cessar-fogo em Gaza, e irá causar um estrago sério na posição de Israel na comunidade internacional.”

Cerca de 500 mil judeus israelenses vivem entre os 2,4 milhões de palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, território que Israel conquistou na Guerra dos Seis Dias, em 1967.

(Por William James)

Mais conteúdo sobre:
ISRAELCISJORDANIAGREBRETANHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.