Departamento de Estado dos EUA pedirá verba e promete reforma após Benghazi

O Departamento de Estado dos EUA vai pleitear bilhões de dólares em verbas adicionais e irá rever seus procedimentos de segurança para evitar que se repitam ataques como o de 11 de setembro contra o consulado dos EUA em Benghazi, na Líbia, disseram autoridades na quinta-feira, atendendo a recomendações de um inquérito independente.

Reuters

20 de dezembro de 2012 | 18h22

Os dois principais adjuntos da secretária de Estado, Hillary Clinton, compareceram a uma audiência no Senado e admitiram que autoridades dos EUA não foram capazes de "ligar os pontos" antes do ataque, que resultou na morte do embaixador Chris Stevens e de três outros funcionários diplomáticos norte-americanos.

"Aprendemos algumas lições muito duras e dolorosas em Benghazi", disse o subsecretário de Estado Wiliam Burns. "Já estamos agindo a respeito delas. Precisamos melhorar."

Pelo menos quatro funcionários do Departamento de Estado perderam seus cargos depois da divulgação do relatório, que apontou falhas de liderança e gestão envolvendo a segurança da instalação consular atacada por militantes islâmicos.

(Por Andrew Quinn and Susan Cornwell)

Mais conteúdo sobre:
LIBIABENGHAZIATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.