Desavença marca início de negociação entre Israel e palestinos

Os palestinos disseram naquarta-feira terem exigido, no lançamento de negociações de pazvoltadas para a criação de um Estado palestino até o final de2008, a suspensão dos planos israelenses sobre construir novascasas em terras ocupadas. As equipes formadas por israelenses e palestinosreuniram-se para realizar as primeiras negociações formais depaz em sete anos como parte de esforços dos EUA para que umacordo seja selado antes do final do mandato do presidentenorte-americano, George W. Bush. O processo tinha sido anunciado na conferência de pazrealizada em Annapolis (Maryland), no mês passado. As negociações de quarta-feira, que duraram cerca de 90minutos, prosseguiram não obstante o apelo feito por algunspalestinos para que fossem boicotadas devido ao plano de Israelsobre construir novas casas em uma área ocupada de Jerusalém. Os líderes palestinos resolveram participar da reunião, masconcentraram-se em pressionar os israelenses a congelarem asobras. Os EUA criticaram os planos de Israel. "Exigimos a suspensão total da construção do assentamento.Nós concordamos em nos encontrarmos de novo. Apenas isso",afirmou à Reuters o negociador palestino Yasser Abed Rabbo. Mark Regev, porta-voz do primeiro-ministro israelense, EhudOlmert, disse não haver "uma solução rápida" para o conflito dedécadas e que o processo exigiria "esforços contínuos." A equipes de negociação reuniram-se em um hotel localizadoperto da Cidade Velha de Jerusalém. As obras realizadas por Israel no mesmo assentamento, pertode Belém e conhecido pelos israelenses como Har Homa (e AbuGhneim, pelos palestinos), paralisaram as negociações de paz em1997. A ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni,e o ex-primeiro-ministro palestino Ahmed Qurie comandaram asnegociações, acertadas entre Olmert e o presidente palestino,Mahmoud Abbas, em Annapolis. OPERAÇÕES EM GAZA O processo iniciou-se um dia depois de Israel ter realizadouma de suas maiores operações militares na Faixa de Gaza desdeque o Hamas assumiu o controle dessa região. Cinco militantesforam mortos. O Hamas rejeitou os esforços de paz com Israel, e o fato deo grupo controlar a Faixa de Gaza complica aquelas negociações. O governo israelense costuma realizar operações na regiãopara impedir os militantes de dispararem foguetes e morteiroscontra o sul de Israel. O grupo militante Jihad Islâmica afirmou ter disparado 14foguetes contra o território israelense na quarta-feira. Não háinformações sobre vítimas desses ataques. Ao menos um palestino morreu em uma explosão ocorrida emGaza, na quarta-feira. O Exército de Israel afirmou não terinformações sobre o que aconteceu. E, segundo autoridades, nãohá planos para uma invasão de grandes proporções do territóriopalestino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.