Desertores sírios vivem com medo de represálias

Temendo ser morto em represália por ter desertado para a Jordânia, o primeiro-ministro da Síria, Riyad Hijab, buscou ajuda dos rebeldes para retirar dezenas de parentes do país, deixando-os a salvo das forças do presidente Bashar al Assad.

HADEEL AL SHALCHI, Reuters

06 de agosto de 2012 | 17h24

Além da família imediata de Hijab, foram retiradas da Síria também as famílias de sete irmãos e duas irmãs dele. A escala dessa operação é reveladora sobre as dificuldades que possíveis desertores sírios enfrentam.

"Hoje, eu lhe digo que há dez famílias, Deus seja louvado, todas elas bem, que chegaram em segurança a uma área protegida e que estão agora em excelente saúde", disse o porta-voz de Hijab, Mohamed Atari, em entrevista concedida na Jordânia à Al Jazeera. "Eles e seus filhos chegaram a um lugar protegido", afirmou, sem dar detalhes sobre a fuga.

Os desertores do regime de Assad até agora incluem também soldados, diplomatas e políticos, mas o medo de vingança contra parentes deixados na Síria impede que o fluxo constante de fugitivos se transforme em uma enxurrada, segundo desertores.

O general Abu Furat al Garabolsi, comandante de uma brigada de tanques, enfrentou o mesmo dilema quando cogitava desertar. Se fosse embora sem a família, a morte dos seus parentes seria quase certa. Mas, se a família fizesse viagens incomuns, isso atrairia suspeitas.

"Se eles descobrissem que qualquer soldado do Exército estava enviando sua esposa e filhos para o exterior, eles saberiam que isso significava que estava planejando desertar", disse o militar de 42 anos à Reuters em Aleppo, onde agora comanda um grupo de combatentes no bairro de Saleheddine. "A punição para isso seria a execução da minha família e de qualquer um que estivesse relacionado comigo."

Há dois meses, aproveitando as férias escolares, ele mandou a família embora. "No dia em que decidi desertar, recebi ordens de realizar uma operação com tanques contra os (rebeldes) sírios livres", disse ele. "Eu simplesmente não podia, então, escapei."

Embora a família estivesse a salvo, a casa onde ele morava na cidade de Qerdaha foi queimada, segundo relato do seu motorista, que lhe ligou dias depois.

"A casa é substituível, mas meu coração está ferido pela perda das fotografias das minhas meninas", contou. "A cada dois meses, eu as levava para serem fotografadas e expunha as fotos delas pela casa. Agora, nunca mais terei essas lembranças de volta."

Desde o início da rebelião síria, há 17 meses, milhares de militares já desertaram, incluindo mais de 20 generais. Entre altos funcionários civis, no entanto, as fugas são mais raras.

O diplomata Hosam Hafez, que deixou no mês passado a missão diplomática da Síria na Armênia, disse que seis ou sete diplomatas já romperam com o regime de Assad, apesar dos esforços da chancelaria para restringir seus movimentos. Outros, segundo ele, continuam aguardando uma chance.

"A política no nosso ministério foi convocar um grande número de diplomatas de volta para a Síria", disse ele. "Geralmente, temos 350 a 400 diplomatas fora, agora suponho que temos menos de metade desse número nas missões no exterior."

Hafez, que estava servindo em Londres quando a rebelião contra Assad começou, disse ter recebido ameaças de partidários de Assad quando manifestou preocupação com a repressão aos protestos. Ele foi transferido para a Armênia, de onde conseguiu fugir há dez dias. "Não foi nada fácil", disse ele, sem dar detalhes.

Para o premiê Hijab, cercado por seguranças, a operação teria sido bem mais difícil. Atari disse que depois do atentado que matou quatro membros do alto escalão de Assad, há quatro semanas, dezenas de soldados foram encarregados de vigiar o primeiro-ministro.

"Riyad estava numa mesquita e, depois das preces da sexta-feira, um coronel foi até ele, com 45 membros da Guarda Republicana, e lhe disse: 'Estamos aqui para protegê-lo'", contou Atari, acrescentando que os planos para a deserção do premiê foram tramados há dois meses.

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIADESERTORESREPRESALIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.