Dia de descanso dos judeus impede entrega de ajuda em Gaza

Segundo porta-voz de agência da ONU, caminhões com ajuda não conseguem entrar em território palestino

Efe,

10 de janeiro de 2009 | 13h01

O Exército israelense decidiu manter fechados neste sábado, 10, os acessos à Faixa de Gaza, que se encontra sob uma forte ofensiva israelense, por ser o dia de descanso dos judeus (sabá), denunciou à Agência Efe um porta-voz da agência da ONU para os refugiados (UNRWA, na sigla em inglês). Veja também:Israel alerta palestinos para combates mais durosPresidente da ANP diz que 'agressão' deve parar Israel mira novos alvos; 9 mortos em ataque com tanqueApós fracasso da ONU, Egito tenta cessar-fogoEmbaixador brasileiro no Egito fala da negociação entre Hamas e Egito  Correspondente do 'Estado' fala sobre o conflito Especial traz mapa com principais alvos em Gaza Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques     "Fecharam as passagens porque é sabá!", afirmou indignado Chris Gunner, porta-voz da UNRWA, a agência de auxílio que se encarrega de abastecer com alimentos mais de 900 mil palestinos que vivem na faixa territorial. Devido à medida, os caminhões com os quais a agência da ONU pretendia entrar em Gaza, onde a situação humanitária é crítica após duas semanas de bombardeios israelenses, não conseguiam entregar a ajuda que carregavam. A UNRWA esperava retomar suas atividades na Faixa de Gaza neste sábado depois que, na quinta-feira, suspendeu seus trabalhos por 24 horas em resposta à morte de seus motoristas em um bombardeio israelense. Na sexta-feira, após obter garantias de Israel de que os comboios não seriam atacados, a agência ordenou a entrega das mercadorias, que não pôde ser efetuadas devido ao bloqueio das passagens. Segundo Gunner, as atividades de distribuição da ONU em nenhum momento foram interrompidas, apenas o transporte de mercadorias, dado o risco que os motoristas e demais funcionários corriam. O Exército israelense confirmou à Efe que os postos na fronteira estão fechados devido ao sabá. Um porta-voz do organismo de Coordenação de Assuntos Civis no Exército de Israel, Peter Lerner, alegou que "no lado palestino dos terminais há mercadorias que não são recolhidas". "É verdade que as passagens estão fechadas. Mas, de qualquer maneira, até que não retirem o que há nelas não será possível levar mais (carregamentos) para o outro lado" do posto, acrescentou. Sobre o fechamento em virtude do sabá, o porta-voz disse que "até a explosão da crise em Gaza, (as passagens) sempre ficaram fechadas aos sábados": "E só ontem à noite nos avisaram que a UNRWA voltaria a trabalhar, mas já era tarde demais para abrir (os postos) esta manhã", acrescentou. Marrocos O governo do Marrocos enviou cinco aviões militares com remédios e alimentos para a população de Gaza, informaram neste sábado fontes oficiais. Os cinco aviões militares, que decolaram com 15 toneladas de remédios, 46 toneladas de alimentos e 3 mil cobertores, farão novos voos com ajuda humanitária, disseram as fontes. Dentro das ajudas do Marrocos a Gaza, um grupo de sete palestinos feridos chegou quinta-feira ao hospital militar de Rabat.

Tudo o que sabemos sobre:
GazaIsraelHamasONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.