Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Diálogo é 'grande oportunidade' para chegar à paz, dizem EUA

Vice americano está no Oriente Médio, onde conversas indiretas entre Israel e Palestina devem começar

Associated Press,

09 de março de 2010 | 08h15

Israelenses e palestinos estão em um "momento de grande oportunidade" de estabelecer a paz após retomar as negociações mediadas pelos EUA, disse nesta terça-feira, 9, o vice-presidente americano, Joe Biden, durante sua visita a Israel.

 

Veja também:

linkIsrael se declara a favor de negociações diretas com palestinos

linkPara palestinos, negociação indireta é última chance de paz

linkIsrael autoriza construção de 112 novos apartamentos

 

O anúncio das negociações indiretas, feito na segunda-feira, acabou com uma paralisação de mais de 14 meses no diálogo e marcou o primeiro trunfo do governo de Barack Obama no Oriente Médio. Mas os novos esforços pela paz devem trazer novos desafios, como divisões dentro dos governos palestino e israelense.

 

"Creio que estamos um momento de grande oportunidade, e acho que os interesses dos povos israelense e palestino, se pararmos para pensar, são mais comum do que opostos", disse Biden em reunião com o presidente israelense, Shimon Peres. O vice americano, que classificou as relações entre os EUA e Israel como "inabaláveis", disse esperar que o começo das negociações será um "veículo que será usado para transpor a desconfiança que foi construída nos últimos anos".

 

As pesquisas mostram que os israelenses acham Obama menos próximo do país do que outros presidentes americanos e a visita de Biden visaria a melhora dessas relações. O vice americano também ofereceu seguranças de que os EUA permanecem comprometidos com o bem-estar de Israel, dizendo que "não há espaço entre os países quando se trata de segurança". O Estado judeu tem pressionado os EUA e outras potências pela imposição de novas sanções contra o Irã por conta do programa nuclear desse país. A questão iraniana, aliás, deve fazer parte da agenda de Biden com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que se encontrarão mais tarde.

 

Obama começou seu mandato pressionando Israel a congelar a construção de assentamentos no território ocupado da Palestina na guerra de 1967 sob o argumento de que as casas ocupariam espaço na terra reivindicada pelos palestinos para um futuro Estado. Netanyahu paralisou apenas parcialmente a expansão, e frequentemente o governo anuncia a construção de novas casas e apartamentos.

 

A questão dos assentamentos é essencial para o processo de paz na região. Os palestinos haviam dito que só retornariam às negociações se houvesse o congelamento total da expansão dos assentamentos. Mesmo com a paralisação parcial, os árabes decidiram voltar ao diálogo indireto, mas ainda reivindicam, por exemplo, Jerusalém Ocidental como capital de seu futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.