Diplomatas cancelam viagens no Iraque por falta de seguranças

Uma das principais companhias de segurança americana do país, a Blackwater, foi fechada provisoriamente

Efe,

19 de setembro de 2007 | 07h28

Os diplomatas dos Estados Unidos em serviço no Iraque cancelaram nesta quarta-feira, 19, todos os seus deslocamentos por terra, devido ao fim da proteção que recebiam da companhia de segurança privada americana Blackwater, cujas atividades no país foram proibidas, provisoriamente, pelo governo iraquiano. Segundo informa nesta quarta o jornal The New York Times, o cancelamento dos deslocamentos dos diplomatas mostra a gravidade da situação. A crise começou quando seguranças da Blackwater mataram a tiros pelo menos nove pessoas num tiroteio, no domingo. Por enquanto, continua a confusão sobre as causas do incidente. Os agentes da companhia privada protegiam uma caravana do Departamento de Estado americano, que circulava pela praça al-Nusur, em Bagdá. As vítimas e as testemunhas desmentiram a versão da empresa e a da embaixada americana, que justificaram o tiroteio como uma resposta a um atentado com carro-bomba no distrito de Mansour. O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, anunciou ontem a revisão de todas as licenças concedidas a empresas de segurança, nacionais ou estrangeiras. Segundo um comunicado oficial, o governo "decidiu reconsiderar as normas que regem o trabalho de todas as companhias de segurança no Iraque".

Tudo o que sabemos sobre:
SegurançaIraqueDiplomatas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.