Distúrbios em bairro palestino de Jerusalém deixam dezenas de feridos

Palestinos se revoltaram com a possibilidade de mais demolições de casas na área

Efe

28 de junho de 2010 | 08h01

JERUSALÉM - Dezenas de palestinos e policiais israelenses ficaram feridos ontem à noite em confrontos em Silwan, bairro palestino de Jerusalém no qual foi aprovada a demolição de 22 casas, informaram nesta segunda-feira, 28, fontes médicas e testemunhas.

 

Cinquenta e dois palestinos foram tratados no local pela inalação de gás lacrimogêneo ou diversas contusões, e pelo menos dois permanecem hospitalizados: uma grávida de 19 anos e um jovem que perdeu um olho, indicou o Crescente Vermelho.

 

A Polícia israelense, que rebaixa o número de feridos palestinos para 11, aponta que dez de seus agentes ficaram feridos nos choques, todos eles levemente.

 

"Ontem à noite foi como uma guerra em Silwan. Foram jogadas pedras e a Polícia israelense lançou gás lacrimogêneo e disparou balas de borracha", explicou à Agência Efe um dos moradores, Yaqub Nache.

 

Cerca de duzentos palestinos participaram dos distúrbios, segundo o porta-voz da Polícia israelense, Micky Rosenfeld.

 

O motivo do início dos confrontos parece ser o temor dos residentes de que colonos judeus tomassem outra casa no bairro, após escutar disparos de advertência dos guardas de segurança particular que custodiavam o prédio símbolo da colonização judaica do bairro, "Beit Yonatan", conforme o relato de testemunhas e ativistas israelenses de esquerda.

 

Silwan fica em Jerusalém Oriental, território ocupado por Israel desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 e onde os palestinos aspiram estabelecer a capital de seu futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.