Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Dois ataques com carros-bomba matam 23 em Bagdá

Atentados na capital iraquiana acontecem no dia em que presidente iraniano encerra visita ao país

Associated Press e Efe,

03 de março de 2008 | 06h13

Pelo menos 23 pessoas foram mortas e dezenas feridas nesta segunda-feira, 3, em dois atentados com carro-bomba na capital iraquiana, Bagdá. Nenhum dos ataques aconteceu nas regiões em que o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, visitou. Em outro incidente sem relação com os ataques, o Exército americano afirmou que encontrou uma vala com 14 corpos que podem ser de membros das Forças de Segurança iraquianas que foram executados por militantes da Al-Qaeda no Iraque Foto: Associated Press No pior dos ataques nesta segunda, um carro estacionado explodiu e matou pelo menos 21 pessoas e feriu outras 43 no centro de Bagdá. Entre os mortos está um policial. Outros quatro oficiais foram feridos. Bab al-Mudham, onde ocorreu a explosão, é um bairro commercial no lado leste do rio Tigre. Em outro atentado, um suicida lançou um microônibus em um dos prédios do Ministério do Interior. A explosão matou dois policiais e feriou outras seis pessoas. Em Samarra, no norte do país, soldados encontraram a vala com os 14 corpos com as mãos amarradas para trás e tiros da cabeça, sinais de execução. "As Forças da Coalizão acreditam que a Al-Qaeda no Iraque seja responsável pelas mortes. As vítimas parecem ser membros das forças iraquianas", disse o comunicado divulgado pelo Exército dos EUA. O ressurgimento da violência contra civis na capital chega após um período de relativa calma e de uma considerável queda em janeiro no número de vítimas mortais por atentados. Além disso, coincide com a histórica visita a Bagdá do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que nesta segunda deixará a capital iraquiana após ter se reunido com seus dirigentes.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBagdácarro-bombaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.