Dois foguetes caem perto da fronteira de Israel com a Jordânia

Ainda não se sabe de onde os artefatos foram lançados e nem qual era o seu alvo

estadão.com.br

22 de abril de 2010 | 09h25

Um foguete, do total de dois de cerca de 107 milímetros de diâmetro lançados mais cedo nesta quinta-feira, 22, caiu em território jordaniano, perto da cidade de Aqaba. O outro foguete, caiu no Mar Vermelho. Nenhuma casualidade foi notificada.

 

Há informações conflitantes sobre o local de onde os foguetes teriam sido lançados.

 

Fontes militares de Israel afirmam que os artefatos vieram da Península do Sinai no Egito, mas o país nega o fato, assim como autoridades da Jordânia.

 

A mídia israelense afirma que os foguetes tinham como alvo a cidade israelense de Eilat. Vários vizinhos ouviram as explosões ao redor de Eilat às 05h00 horas local.

 

Fontes militares de Israel disseram à BBC que os foguetes vieram do Península do Sinai, mas a agência Reuters divulgou posteriormente que uma fontes militares anônimas afirmaram que os mísseis foram lançados da Jordânia, mas falharam em cruzar suas fronteiras.

 

O foguete atingiu um galpão vazio disse o ministro das Informações Nabil Sharif à agência de notícias AFP.

 

Israel falou recentemente sobre o aumento da atividade militar no Sinai, local muito popular entre turistas israelenses. Na semana passada o país afirmou que havia claras evidências de tentativas de sequestro de seus cidadãos na área, fazendo uma chamado para que todos os israelenses deixassem o Sinai imediatamente.

 

A última vez que Eilat foi alvo de foguetes remonta a 2005, quando a Al-Qaeda, reivindicou a responsabilidade por um ataque em Katyusha contra navios militares americanos no porto de Aqaba e no porto de Eilat.

 

O ataque matou um soldado jordaniano e feriu outro.

 

Com 65.000 habitantes, Eilat é um dos principais portos e destino turístico do israelenses e está localizado no Mar Vermelho, a poucos quilômetros da fronteira com o Egito e a Jordânia. Com informações da BBC, EFE, Reuters e AFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.