Dois terços do mundo querem retirada do Iraque, diz pesquisa

Entre os norte-americanos e seus aliados, média se repete; para especialista, opinião pública vai contra Bush

REUTERS

06 de setembro de 2007 | 21h11

Mais de dois terços da população mundial acham que os Estados Unidos e seus aliados deveriam deixar o Iraque dentro de um ano, segundo pesquisa a ser publicada na sexta-feira pelo serviço internacional da BBC.'Forças iraquianas não estão prontas para assumir segurança'Depoimento de Petraeus deve acirrar presidenciais no EUA Ataque aéreo dos EUA contra Bagdá deixa ao menos 14 mortosA emissora pública britânica ouviu 23 mil pessoas em 22 países, e descobriu também que apenas um quarto delas acha que as tropas estrangeiras devem ficar no Iraque até que a segurança melhore no país.Quase dois terços dos norte-americanos (61%) responderam que as forças do país devem deixar o Iraque no prazo de um ano, sendo que 24% acham que a partida deveria ser imediata.Só um terço dos norte-americanos dizem que as forças devem ficar até que a segurança melhore.A pesquisa foi feita pelo instituto GlobeScan e pelo Programa de Atitudes sobre Política Internacional da Universidade de Maryland, entre 29 de maio e 26 de julho.Em países aliados dos EUA, também há um forte sentimento em prol da retirada no prazo de um ano - 65% no Reino Unido e 63% na Coréia do Sul e Austrália.O presidente dos EUA, George W. Bush, aventou nesta semana a hipótese de começar a reduzir o contingente militar no Iraque caso a situação fique controlada. O Reino Unido já reduziu sua presença para cerca de 5.000 soldados, mas diz que as forças ficarão no Iraque enquanto forem necessárias.Na avaliação de Doug Miller, presidente da GlobeScan, "o peso da opinião pública mundial, e de fato da opinião norte-americana, é contrário à atual política do governo Bush de permitir que as condições de segurança no Iraque ditem o momento da retirada das tropas dos EUA".

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEPESQUISA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.