Doze rebeldes morrem em operações de segurança em Bagdá

Tropas iraquianas entram em Cidade de Sadr, em Bagdá, reduto da milícia do clérigo xiita Moqtada al-Sadr

Efe,

19 de abril de 2008 | 15h17

Doze suspeitos de serem rebeldes morreram em operações lançadas pelas forças iraquianas nas últimas 48 horas em diversas zonas de Bagdá, informou neste sábado, 19, a agência independente iraquiana Aswat al-Iraq. O anúncio foi feito pelo porta-voz do plano de segurança para Bagdá, general Qasem Ata, citado pela agência.  Veja também:Forças iraquianas e milicianos xiitas voltam a se enfrentarEUA erguem muro para isolar rebeldes em Sadr City O responsável militar também disse que, nas operações, as forças de segurança detiveram doze suspeitos, e capturaram seis pessoas que eram procuradas pela polícia devido a seu suposto envolvimento em ataques e atentados. Além disso, Ata destacou que agentes do Ministério do Interior iraquiano conseguiram desativar um carro-bomba e uma bomba, além de ter descoberto grandes quantidades de armas e munição, e um barril com dinamite em um subúrbio do leste de Bagdá. Dezenas de milhares de soldados e policiais iraquianos, com apoio de tropas americanas, vigiam o cumprimento desde fevereiro de 2007 do plano de segurança para Bagdá, que tem como principal objetivo colocar fim aos atentados e ataques nessa cidade Cidade de Sadr  Ainda neste sábado, tropas iraquianas entraram no bairro de Cidade de Sadr, em Bagdá e reduto da milícia Exército Mehdi, do clérigo xiita Moqtada al-Sadr, e tomaram posições, horas depois do início de combates contra os rebeldes. Um morador da zona, que pediu para não ser identificado, disse que as forças governamentais tomaram posições perto da zona industrial de Jamila, em Cidade de Sadr, e em uma das entradas principais do bairro. Segundo a agência, as tropas iniciaram neste sábado "uma campanha de limpeza" de milicianos xiitas nas principais ruas e entradas da zona, no leste de Bagdá. Cidade de Sadr foi na sexta-feira à noite cenário de violentos confrontos de simpatizantes de Muqtada contra soldados iraquianos e americanos, que causaram a morte de dez pessoas e deixaram mais de 60 feridos. Além disso, na localidade de Basra, 550 quilômetros ao sul de Bagdá, também houve intensos combates entre os milicianos xiitas e as forças iraquianas, que tomaram a área de Al-Hayaniyat, um dos redutos dos simpatizantes de Muqtada. Há três semanas, o governo do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, lançou uma campanha de segurança em Basra para acabar com a criminalidade na zona.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueCidade de SadrBagdá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.