Dubai acusa Israel de falsificar passaportes em 'larga escala'

Documentos falsos foram usados no assassinato de Mahmoud al-Mabhouh, líder do partido palestino Hamas

Agência Estado,

09 de março de 2010 | 10h44

O chefe de polícia de Dubai, Dahi Khalfan, acusou o governo de Israel nesta terça-feira, 9, de falsificar passaportes em "larga escala". Segundo ele, dezenas de documentos de viagem falsos foram descobertos desde o assassinato de um líder do partido palestino Hamas nos Emirados Árabes no dia 19 de janeiro.

 

Veja também:

linkAustrália investiga 4º passaporte envolvido no caso 'al-Mabhouh'

linkInterpol dá alerta para 16 suspeitos de morte do líder do Hamas

especialEspecial: Na mira dos serviços secretos

 

"Eu faço uma advertência. Israel está falsificando passaportes ocidentais em larga escala. Nós descobrimos passaportes forjados diariamente", disse Khalfan. "O mundo precisa parar a operação de vasta falsificação de documentos oficiais que uma entidade formal está realizando", afirmou ele, referindo-se ao serviço de espionagem israelense, o Mossad.

 

Um dos fundadores do braço armado do movimento islâmico palestino Hamas, Mahmoud al-Mabhouh foi encontrado morto no quarto de um hotel perto do aeroporto de Dubai, em 20 de janeiro. A polícia de Dubai acusou o Mossad de estar por trás do crime.

 

A agência de polícia internacional Interpol emitiu na segunda-feira 16 mandados de prisão de suspeitos procurados por Dubai por suposto vínculo com o crime. Antes, a Interpol havia emitido mandados para outros 11 suspeitos. Além disso, a Interpol anunciou que passou a integrar uma força-tarefa internacional sediada em Dubai para apurar o homicídio.

 

A polícia de Dubai afirma que 26 dos 27 suspeitos teriam vínculos com o Mossad. Segundo o órgão, os suspeitos entraram em Dubai com passaportes falsos, usando identidades de 12 pessoas do Reino Unido, seis da Irlanda, quatro da França, três australianos e um alemão. Após o crime, elas deixaram o emirado e foram para Hong Kong, África do Sul e Irã.

 

Dois membros do grupo "retornaram aos EUA após passarem por um país europeu", afirmou Khalfan na semana passada. Autoridades israelenses não confirmaram nem negaram as denúncias. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.