Dubai identifica mais 15 suspeitos por morte de líder do Hamas

Destes, seis teriam passaporte britânico, três, irlandeses e outros três australianos; investigações continuam

estadao.com.br,

24 de fevereiro de 2010 | 10h31

A polícia de Dubai disse nesta quarta-feira, 24, ter descoberto mais 15 suspeitos de envolvimento com o assassinato de Mahmoud al-Mabhouh, um alto líder do grupo palestino Hamas, que controla a faixa de Gaza, no dia 20 de janeiro, segundo a agência BBC.

 

Veja também:

link Filho de fundador do Hamas espionou 10 anos para Israel

 

Segundo os oficiais, seis dos novos suspeitos têm documentos britânicos, três, irlandeses e outros três australianos. Vários deles usaram cartões de crédito de um mesmo banco.

 

A União Europeia pediu esclarecimentos ao governo Israel, principal acusado pelo episódio, pelo fato de vários dos supostos assassinos terem usado passaportes europeus para entrar nos Emirados Árabes e se aproximarem de al-Mabhouh. O Hamas acusa o Mossad, serviço secreto israelense, de ser o responsável pelo caso e jurou vingança.

 

"A UE condena firmemente o fato de os envolvidos na ação terem usado passaportes e cartões de crédito de Estados-membros da UE", assinalava o texto dos ministros europeus divulgado na segunda-feira. As autoridades de Dubai até então haviam identificado 11 suspeitos do assassinato de Mabhouh. Eles viajaram para o emirado com passaportes de Reino Unido, Irlanda, França e Alemanha.

 

Na terça-feira, a líder da oposição no Parlamento de Israel, Tzipi Livni, elogiou o assassinato de um comandante do Hamas e discursou durante uma conferência em Jerusalém. "O fato de que um terrorista tenha sido morto, e não importa se isso aconteceu em Dubai ou em Gaza, é uma boa notícia para aqueles que lutam contra o terrorismo", disse.

 

Este foi o primeiro comentário feito por uma autoridade israelense. Livni, do partido centrista Kadima, disse que a morte de Mahmoud al-Mabhouh foi "boa", mas não disse quem estava por trás do assassinato. Livni já foi ministra de Relações Exteriores e trabalhou para o Mossad (serviço secreto israelense) nos anos 1980.

 

(Com agências Reuters e Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
DubaiHamasal-MabhouhIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.