Duplo atentado deixa ao menos 25 pessoas mortas no sul do Iraque

Explosões ocorreram durante peregrinação xiita à cidade sagrada de Kerbala

Reuters e Agência Estado

26 de julho de 2010 | 14h38

KERBALA - Dois carros-bomba explodiram perto da cidade sagrada xiita de Kerbala, no sul do Iraque, deixando ao menos 20 pessoas mortas e outras 68 feridas, informou nesta segunda-feira, 26, um autoridade local.

 

As explosões ocorreram na estrada entre Kerbala e a Najaf, outra cidade sagrada para os xiitas, disse Mohammed al-Moussawi, chefe do conselho provincial de Kerbala.

 

As bombas tinham como alvo os peregrinos xiitas que visitam a cidade, a cerca de 80 quilômetros de Bagdá. Os viajantes foram a Kerbala em razão do aniversário de um imã xiita, e centenas de milhares de pessoas são esperadas para visitar o local.

 

Fontes policiais dão conta de até 30 mortos causados por apenas um carro. Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria das explosões, mas o método assemelha-se ao de ataques perpetrados por extremistas sunitas anteriormente.

 

O aniversário do imã Mohammed al-Mehdi é um dos grandes eventos de peregrinação do Iraque que envolve um grande esquema de segurança preparado pelo governo para coibir a violência sectária entre xiitas e sunitas.

 

Al-Arabiya

 

Um suicida que dirigia um micro-ônibus se explodiu em frente ao escritório da rede de televisão Al-Arabiya, em Bagdá, hoje, matando seis pessoas. O ataque aos escritórios da emissora pan-árabe foi uma lembrança dos persistentes perigos contra jornalistas iraquianos e estrangeiros no país.

 

O ataque também feriu 16 pessoas, dentre elas o ex-vice-primeiro-ministro Salam al-Zubaie, que vive nas proximidades da sede da TV. "A Al-Arabiya condena esse ataque brutal contra seu escritório e funcionários e todas as agressões e operações cujo alvo são jornalistas, seja no Iraque ou em qualquer outro lugar do mundo", disse a empresa saudita, em comunicado emitido pela sede, em Dubai.

 

Atualizado às 22h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.