É preciso agir rapidamente na Líbia,diz fonte do governo francê

A comunidade internacional precisa agir rapidamente na Líbia, disse uma fonte do governo francês no sábado, depois que forças leais ao líder líbio Muammar Gaddafi atacaram Benghazi, cidade controlada pelos rebeldes.

REUTERS

19 de março de 2011 | 08h49

"Tudo está pronto (para agir) mas a decisão agora é política. Está claro que temos que agir rapidamente", disse a fonte, horas antes de a França receber uma reunião internacional para discutir uma intervenção militar.

Não houve comentários imediatos nem da Presidência nem do Ministério das Relações Exteriores da França, ou do governo britânico, que juntamente com Paris tem feito apelos por uma ação militar para parar as ações de Gaddafi contra os rebeldes.

"Não faremos um comentário apressado", disse um porta-voz do governo britânico.

Representantes da Otan devem se reunir no sábado para discutir detalhes dos planos para possíveis ações na Líbia.

Um diplomata da Otan disse que nenhuma decisão era esperada para antes de domingo, mas acrescentou: "obviamente a pressão está crescendo para se fazer algo agora".

Forças de Gaddafi avançaram sobre Benghazi, desafiando as exigências internacionais para um cessar-fogo imediato, e apesar da promessa do governo líbio de que estaria respeitando um cessar-fogo.

(Reportagem de John Irish, Keith Weir e David Brunnstrom)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAFRANCAACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.