'É preciso paciência para avançar negociação com Irã', diz Lula

Para presidente, não é apropriado tratar República Islâmica como uma nação 'insignificante' e pressioná-la

Agência Estado e Associated Press,

03 de dezembro de 2009 | 15h58

O presidente Lula disse nesta quinta-feira, 3, que é necessário ter "muita paciência" para acabar com a desconfiança e realizar um progresso nas negociações sobre o programa nuclear do Irã. Os comentários de Lula foram feitos uma semana após ele receber o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, em Brasília.

 

Veja também:

linkNovas usinas são 'consequência' da decisão da AIEA, diz Irã

linkIrã pede mudanças na estrutura da AIEA

linkIrã diz que construirá dez novas plantas para enriquecer urânio

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

"A coisa melhor e mais barata para todos nós é contarmos com as negociações e termos paciência, muita paciência", disse Lula após uma reunião com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, cujo país está entre os que lideram os esforços para remover as preocupações sobre as ambições nucleares do Irã.

 

"Na minha opinião, não é apropriado tratar o Irã como se fosse um país insignificante e fortalecer a pressão sobre o Irã todos os dias", disse Lula, acrescentando que é necessário um esforço para "afastar a desconfiança mútua".

 

O Irã, que nega qualquer interesse em desenvolver armas nucleares, enfrenta a perspectiva de novas sanções das Nações Unidas por desafiar os pedidos para parar de enriquecer urânio. Ahmadinejad disse na quarta-feira que seu país irá enriquecer urânio a um nível bem mais alto e especialistas alertam que isso poderá colocar Teerã na rota para produzir o material necessário para armar uma ogiva em meses.

 

Merkel reconheceu que existem "pequenas diferenças de abordagem" com o Brasil, mas afirmou que ela e Lula têm o mesmo objetivo fundamental de garantir a "transparência absoluta" da parte do Irã. A chanceler reiterou que, se o Irã não responder aos incentivos, "e nossa paciência já foi testada, então novas sanções precisam ser consideradas".

Tudo o que sabemos sobre:
MerkelAngela MerkelLulaIrãnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.