Egípcios fazem manifestação de apoio a Mohamed Morsi no país

Islamitas alegam que liberais que protestam contra aumento de poderes do líder não representam maioria

Agência Estado,

01 de dezembro de 2012 | 13h25

CAIRO - Dezenas de milhares de pessoas fizeram manifestações por todo o Egito neste sábado, 1, a favor do presidente Mohamed Morsi, que recentemente ampliou seus poderes, e da lei islâmica. O movimento, organizado pela Irmandade Muçulmana, é visto como um teste de força dos islamitas, que tentam se contrapor a grandes protestos da oposição realizados ao longo da semana.

 

Os islamitas alegam que os liberais, que ainda lutam para criar um grupo de oposição coeso quase dois anos após o levante que depôs o ex-ditador Hosni Mubarak, não representam a maioria dos egípcios.

 

Na última eleição parlamentar, a Irmandade Muçulmana e islamitas de linha dura conquistaram quase 75% dos assentos. Os liberais, no entanto, lembram o fato de que Morsi, que pertence ao partido político da Irmandade, recebeu apenas 25% dos votos no primeiro turno da eleição presidencial. Embora tenha conquistado mais de 50% da votação no segundo turno, Morsi enfrentou uma disputa acirrada com um adversário do antigo regime.

 

Durante a semana, centenas de milhares de egípcios, em sua maioria liberais e representantes das forças seculares, fizeram dois protestos contra a decisão de Morsi conceder a si mesmo poderes quase absolutos. Apenas na sexta-feira, cerca de 200 mil pessoas tomaram as ruas do Cairo com a promessa de que derrubarão um projeto de Constituição aprovado por aliados de Morsi e exigindo que o presidente anule decretos que neutralizaram o judiciário do país.

 

Embates gerados pela crise, iniciada há duas semanas, já deixaram dois mortos e centenas de feridos no Egito. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitomanifestaçãoconstituição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.