Egito acredita em libertação de soldado israelense capturado

Soldado foi detido pelo grupo palestino extremista Hamas na Faixa de Gaza há mais de três anos

Efe,

07 de julho de 2009 | 13h38

O presidente do Egito, Hosni Mubarak, afirmou nesta terça-feira, 7, que acredita em pronta libertação de soldado israelense em poder do Hamas, Gilad Shalit, capturado por grupos palestinos na Faixa de Gaza há três anos.

 

"O soldado está em boas condições e esperamos que essa questão seja fechada em breve", afirmou Mubarak, em entrevista coletiva que concedida junto ao presidente israelense, Shimon Peres, que está em visita oficial ao Cairo.

 

Shalit foi capturado por três grupos palestinos em 25 de junho de 2006. O Egito veio intermediando as conversas entre Israel e o Hamas, o grupo palestino que controla a Faixa de Gaza, para conseguir uma troca de prisioneiros.

 

Mubarak disse que continuam as gestões nesse sentido, sem dar detalhes, mas, com seus comentários, confirmou que o soldado israelense continua vivo, apesar da ofensiva israelense que castigou Gaza entre 27 de dezembro do ano passado e 18 de janeiro, e que deixou cerca de 1,4 mil mortos.

 

O presidente egípcio também pediu "seriedade" a Israel para negociar a paz com os palestinos. "Os israelenses deveriam ser sérios no processo de paz e deveriam parar a construção de assentamentos (nos territórios palestinos ocupados) para chegar à solução de dois Estados", afirmou o presidente egípcio. "O processo de paz não suporta mais aventuras nem erros", completou.

 

Mubarak reiterou que a causa palestina continuará sendo um tema prioritário para o Egito e para o mundo árabe, e pediu que Israel "dê passos construtivos para acelerar os esforços, a fim de reforçar a trégua em Gaza e reabrir suas fronteiras".

 

Peres disse que seu país persiste em buscar caminhos pacíficos e "parar o ódio para alcançar uma paz real na região". O chefe de Estado israelense descreveu como "construtivas e francas" suas conversas com Mubarak e disse que tinha analisado com ele como enfrentar os desafios do processo de paz no Oriente Médio.

 

A questão de Shalit e o processo de paz no Oriente Médio eram os principais assuntos que trouxeram à capital egípcia o presidente israelense, que costuma ter apenas funções de representação. Peres já esteve no Egito em 23 de outubro do ano passado, na primeira visita de um chefe de Estado israelense a este país desde a realizada em 2000 por Ezer Weizman.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoIsraelHamasOriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.