Egito diz que Hamas não está deixando feridos saírem de Gaza

Hospitais egípcios foram colocados em estado de alerta para atender as vítimas destes bombardeios

Efe,

28 de dezembro de 2008 | 09h16

O ministro egípcio de Assuntos Exteriores, Ahmed Aboul Gheit, afirmou neste domingo, 28, que o grupo palestino Hamas está impedindo a transferência ao Egito de pessoas feridas pelos bombardeios israelenses das últimas horas.   Veja também: Ministros árabes se reúnem na 4ª para discutir ataques a Gaza Abbas: ataques podiam ser evitados; Olmert promete 'firmeza' Israel ataca e número de mortos em Gaza sobe para 271 ONU pede cessar fogo imediato de Israel na Faixa de Gaza Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Ofensiva israelense deve sepultar esforço de paz Hamas pede nova Intifada contra Israel após ataques Itamaraty condena 'reação desproporcional' de Israel Veja imagens de Gaza após os ataques       Gheit fez a denúncia em declarações aos jornalistas depois de se reunir no Cairo com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. "Estamos esperando os palestinos feridos que cruzem (rumo ao Egito), mas não está sendo permitindo a eles atravessar (a fronteira)", assegurou o ministro egípcio em entrevista coletiva.   Quando foi interpelado pelos jornalistas quem era o responsável por essa decisão, Gheit convidou-os a perguntar a "quem controla Gaza no terreno".   Os hospitais egípcios, especialmente os situados perto da fronteira com Gaza, foram colocados em estado de alerta para atender as vítimas destes bombardeios.   Em suas declarações aos jornalistas, Gheit disse que o Egito está fazendo todo o possível para buscar uma trégua em Gaza, que se manteve desde junho passado até este mês. "Deve se colocar um fim a este massacre", acrescentou o ministro egípcio.  

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoHamasIsraelFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.