ElBaradei critica possibilidade de guerra contra o Irã

Diretor da Agência Nuclear rebate declaração de governo francês sobre provável incursão contra Teerã

Associated Press e Agência Estado,

17 de setembro de 2007 | 10h36

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, criticou nesta segunda-feira, 17, a radicalização do discurso em torno de um eventual ataque militar contra o Irã. Ele ainda advertiu para a possibilidade de se repetir a situação que precipitou a invasão do Iraque e defendeu que a guerra deveria ser somente um último recurso.   "Eu não falaria em nenhuma espécie de uso da força", declarou ElBaradei em Viena, num comentário indireto às declarações do ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, segundo o qual o mundo deveria se preparar para uma guerra caso o Irã obtenha armas nucleares.   Salientando que somente o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) dispõe de autoridade para permitir o uso da força, ElBaradei pediu ao mundo que se lembre de como aconteceu a invasão do Iraque antes de considerar a possibilidade de um ataque ao Irã.   "Existem regras sobre como usar a força e espero que todos tenham aprendido a lição com a situação no Iraque, onde 70.000 civis inocentes perderam a vida porque se suspeitava que o país tivesse armas nucleares", declarou.   As palavras de ElBaradei são uma menção ao principal argumento defendido pelo governo dos Estados Unidos para justificar a invasão do Iraque: o de que o regime de Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa, inclusive nucleares. Mais de quatro anos depois da invasão, tais arsenais nunca foram encontrados.   Às margens de uma reunião da AIEA em Viena, ElBaradei pediu às partes que evitem o confronto.   Os Estados Unidos e outras potências ocidentais acusam o Irã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. O governo iraniano nega e assegura que suas usinas atômicas têm fins estritamente pacíficos de geração de energia elétrica.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAIEAFrançaElBaradei

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.