Eleição afegã terá segundo turno entre ex-ministro e economista

A eleição afegã terá um segundo turno entre o ex-ministro das Relações Exteriores, Abdullah Abdullah, e o ex-economista do Banco Mundial, Ashraf Ghani. Nenhum dos dois candidatos obteve a maioria absoluta dos votos, mostraram resultados preliminares neste sábado.

JEREMY LAURENCE E MIRWAIS HAROONI, Reuters

26 de abril de 2014 | 14h40

Abdullah liderou com 44,9 por cento, seguido por Ghani com 31,5 por cento, relatou a Comissão Independente de Eleição (IEC, na sigla em inglês). Zalmay Rassoul ficou em um distante terceiro lugar com 11,5 por cento.

"Este é um desfecho preliminar e agora irá para a Comissão Independente de Reclamações da Eleição, e eles tratarão disso. Assim que compartilharem seus resultados, também iremos anunciá-los", disse o presidente do IEC, Ahmad Yousuf Nuristani, em uma coletiva de imprensa em Cabul.

O resultado final não será conhecido até 14 de maio, já que as autoridades investigam até meio milhão de votos suspeitos de serem fraudulentos. Mesmo que eles sejam contados, é altamente improvável que dêem mais de 50 por cento dos votos a Abdullah.

"Acho que estamos preparados, e se for para o segundo turno, sim, achamos que é factível, e a princípio nos organizamos para começar o segundo turno em 7 de junho", afirmou Nuristani.

Pela constituição, o atual presidente, Hamid Karzai, há 12 anos no poder, não pode concorrer a um terceiro mandato. O Afeganistão se prepara para assumir sua própria segurança, já que a maioria das tropas estrangeiras irá se retirar do país até o final do ano.

(Reportagem adicional de Hamid Shalizi)

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOELEICAOSEGUNDOTURNO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.