Omar sobhani/Reuters
Omar sobhani/Reuters

Eleições presidenciais afegãs serão em abril de 2014

Votação será realizada poucos meses antes da saída completa do país da missão da Otan

Efe

30 de outubro de 2012 | 15h23

CABUL - As próximas eleições presidenciais do Afeganistão serão no dia 5 de abril de 2014, antes do final da retirada das tropas da Otan do país asiático, informou nesta terça-feira, 30, a Comissão Eleitoral Independente do país (IEC, na sigla em inglês).

A data foi divulgada para vários meios, incluindo a agência afegã "AIP", pelo porta-voz da IEC, Nour Muhammad Noor, que não deu mais detalhes sobre a mencionada eleição.

Nos últimos meses, o presidente afegão, Hamid Karzai, tinha reiterado em diversas ocasiões que este pleito aconteceria em 2014, na data prevista.

Karzai, no poder desde pouco depois da queda dos talibãs após a invasão americana ao Afeganistão, há mais de uma década, assegurou que não vai concorrer à reeleição.

No caso de mudar de opinião deveria em todo caso reformar previamente a Constituição afegã, pois esta fixa um máximo de dois mandatos presidenciais, de cinco anos cada um.

Alguns analistas consideram, no entanto, que o presidente está disposto a apoiar seu irmão, Mahmoud Karzai, para que ele o substitua.

As eleições acontecem poucos meses antes da saída completa do país da missão afegã da Otan (Isaf). No começo de outubro, o centro de estudos International Crisis Group (ICG) avaliou em um relatório que o Afeganistão se encaminha para uma "crise política devastadora" após o final desta retirada.

"Existe um risco real de que o regime de Cabul entre em colapso com a retirada da Otan em 2014. A margem para remediá-lo está se reduzindo muito rápido", afirmou o ICG.

O organismo alertou também sobre a alta probabilidade de que se registre "uma fraude maciça", como já ocorreu em 2009.

O conflito afegão está atualmente em uma de suas fases mais sangrentas.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.