Em discurso na ONU, Netanyahu vai exigir 'limite' para o Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, leva nesta quinta-feira à ONU seu pedido para que a comunidade internacional imponha um "limite" ao programa nuclear do Irã.

DAN WILLIAMS, Reuters

27 de setembro de 2012 | 08h43

Netanyahu vai discursar à Assembleia-Geral depois de o presidente dos EUA, Barack Obama, ter frustrado alguns israelenses por não impor nenhum ultimato a Teerã em seu próprio discurso, apesar de ter dito que o tempo para a diplomacia não é ilimitado.

Israel acusa o Irã de desenvolver armas nucleares, e ameaça agir militarmente para impedir isso. Já os EUA, que compartilham das suspeitas, dizem que ainda há tempo para resolver a questão diplomaticamente. Teerã insiste no caráter pacífico das suas atividades, e promete retaliar em caso de ataque.

"O primeiro-ministro já apresentou (a necessidade de impor) limites no passado. Mas ainda não convencemos o mundo inteiro a apresentar os mesmos limites", disse a uma TV israelense o ministro do Meio Ambiente, Gilad Erdan, influente membro do partido de direita Likud, de Netanyahu.

Segundo ele, o premiê usará o discurso na Assembleia-Geral para "apresentá-los novamente, irá explicar por que há um perigo não só para Israel, mas para todo o Ocidente, para os Estados Unidos, para todo o mundo livre, caso o Irã ultrapasse certo limite."

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDISRAELIRANONU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.