Em locais bíblicos, Bush pede resistência diante do 'mal'

Em um gestosimbólico para israelenses e palestinos, o presidentenorte-americano, George W. Bush, visitou na sexta-feira o localonde Jesus teria dito que são "bem-aventurados ospacificadores". Perto do topo do monte das Bem-Aventuranças, onde oscristãos acreditam que Jesus proferiu o Sermão da Montanha,dois frades franciscanos, um deles lendo os Evangelhos paraBush, acompanharam o presidente até um quebra-mar no mar daGaliléia. "É uma experiência incrível", disse ele, um cristãopraticante. Concluindo sua primeira visita oficial a Israel e àCisjordânia ocupada, Bush afirmou ter deixado claro aoprimeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, e ao presidentepalestino, Mahmoud Abbas, que "agora é hora de fazer escolhasdifíceis". Desafiando um ceticismo generalizado, Bush disse acreditarque ambas as partes conseguirão assinar até o fim de seumandato, dentro de um ano, um tratado que leve à criação doEstado palestino. De mãos dadas com duas freiras, Bush entrou, radiante, nacapela franciscana do monte das Bem-Aventuranças, que ficaacima das ruínas de Cafarnaum, onde Jesus teria realizadomilagres, como andar sobre as águas do mar da Galiléia. Há na capela entalhes em latim com as oito bem-aventurançasdo Sermão da Montanha, inclusive a passagem: "Bem-aventuradosos pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus." Ele também percorreu as ruínas de uma antiga sinagoga deCafarnaum, onde se acredita também que tenha vivido são Pedro. Bush foi de helicóptero até o norte de Israel depois devisitar o memorial Yad Vashem, em Jerusalém, que homenageia os6 milhões de judeus mortos no Holocausto. De solidéu preto, Bush percorreu com ar solene as fotos dasvítimas. Durante uma cerimônia no sóbrio Salão da Recordação,Bush reacendeu uma chama eterna e depositou uma coroa de floressobre uma lápide que guarda cinzas de vítimas de seis campos deextermínio. "Gostaria que muita gente do mundo viesse a este lugar,seria uma sóbria lembrança de que o mal existe e um apelo paraque, quando encontremos o mal, resistamos a ele", disse Bush nomemorial. "Acho que saí com esta impressão, de que fiqueiimpressionado de que as pessoas diante do horror e do mal nãoabandonam seu Deus -- que diante de crimes inenarráveis contraa humanidade, bravas almas, jovens e velhas, permaneceramfortes em nome do que acreditavam." Bush embarcou depois para o Kuweit. Em seguida, visitaBarein, Emirados Árabes, Arábia Saudita e Egito, países aliadosdos EUA. (Por Jeffrey Heller)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.