Emirados Árabes cancela toda a dívida iraquiana e seus juros

'Trata-se de uma expressão de solidariedade e apoio ao governo iraquiano', diz o xeque Khalifa bin Zayed

Efe,

06 de julho de 2008 | 09h48

O presidente dos Emirados Árabes Unidos (EAU), xeque Khalifa bin Zayed al-Nahiyan, anunciou neste domingo, 6, que seu país decidiu cancelar toda a dívida iraquiana e seus juros, avaliada em mais de US$ 4 bilhões. O xeque Zayed fez este anúncio durante uma reunião que manteve em Abu Dhabi com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, que iniciou uma visita oficial de dois dias ao país do Golfo Pérsico.   "Trata-se de uma expressão de solidariedade e apoio ao governo iraquiano para que possa aplicar os planos e os projetos de reconstrução e reabilitação das instituições do Iraque", disse Nahiyan, segundo a agência nacional de notícias WAM. Além disso, expressou sua esperança de que a decisão "ajude a aliviar o impacto dos problemas econômicos do povo iraquiano", e ressaltou que os Emirados Árabes Unidos "oferecerão todo apoio moral e material ao irmão Iraque".   Maliki foi recebido em Abu Dhabi pelo vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, xeque Mohamad bin Rashed, assim como pelo príncipe herdeiro e vice-comandante das Forças Armadas, xeque Mohamad bin Zayed. A visita de Maliki ocorre um mês depois da histórica viagem realizada pelo ministro de Assuntos Exteriores árabe, xeque Abdullah bin Zayed, a Bagdá, onde anunciou a intenção dos Emirados Árabes Unidos de reabrir sua embaixada e nomear um embaixador na capital iraquiana.   O xeque Abdallah se transformou, em 5 de junho, no primeiro alto responsável árabe a visitar o Iraque desde a derrubada, em março de 2003, do regime de Saddam Hussein. Os Emirados Árabes Unidos, entre outros países árabes aliados de Washington, foram alvo nos últimos meses de crescentes pressões americanas para reabrir suas embaixadas em Bagdá em apoio ao governo do xiita Nouri al-Maliki.   Atualizado às 17 horas

Tudo o que sabemos sobre:
Emirados Árabes Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.