Empresa belga Indaver considera destruir armas químicas da Síria

O grupo belga de gestão de resíduos Indaver considera fazer uma oferta na concorrência para destruir o arsenal químico da Síria e expressou formalmente o interesse à Organização para Proibição de Armas Químicas (Opaq).

Reuters

09 de janeiro de 2014 | 08h28

A Síria declarou ter 1,3 mil toneladas de armas químicas à Opaq, que venceu o prêmio Nobel da Paz no ano passado e toma providências para que o arsenal sírio seja destruído fora do país do Oriente Médio.

"Há uma concorrência e nós somos uma das empresas que examinam quais são os requerimentos", disse uma porta-voz da Indaver, companhia sediada na cidade de Mechelen.

"Uma oferta pode ser feita nesse mês, mas só iremos fazer isso após a aprovação das autoridades regionais e federais."

A Invader é uma empresa privada, com operações na Bélgica e em diversos outros países europeus. Possui 1,6 mil funcionários e receita anual de cerca de 400 milhões de euros (544 milhões de dólares).

(Reportagem de Robert-Jan Bartunek)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIABELGICAARAMASQUIMICAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.