Enriquecimento de urânio do Irã é modesto, segundo AIEA

Relatório da agência concluiu que país está usando apenas fração de sua capacidade de enriquecimento

Associated Press,

10 de fevereiro de 2010 | 19h52

O Irã espera produzir seu primeiro lote de urânio enriquecido em poucos dias, mas um documento confidencial da agência nuclear da ONU afirma que o Irã está usando apenas uma fração de sua capacidade para enriquecer seu estoque de urânio.

 

Impasse nuclear:

Irã recusa ajuda dos EUA para comprar isótopos de reator

Acordo para trocar combustível nuclear é possível, diz Irã

 

O documento interno da agência é importante, já que é o primeiro reporte sobre o programa de enriquecimento de urânio de Teerã a 20% não baseado em comunicados de oficiais iranianos. O relatório, divulgado à Associated Press, diz que apenas 164 centrífugas enriquecedoras estão sendo usadas, e que apenas cinco quilos de urânio pouco enriquecido foram selecionados serem enriquecidos a 20%.

 

O Irã tem mais de 8 mil centrífugas a seu dispor, mas nem todas estão funcionando. Elas já acumularam mais de 1,8 toneladas de urânio com baixo nível de enriquecimento.

 

O Irã anunciou nesta terça que começou seu processo de enriquecimento de urânio para produzir combustível para seu reator médico, mas a comunidade internacional teme que o programa nuclear iraniano tenha a finalidade de construir bombas.

 

Nesta quarta, o vice-presidente iraniano, Ail Akhbar Salehi, afirmou que o processo de enriquecimento de urânio de seu país estava fluindo rapidamente, um dia depois de oficiais iranianos terem anunciado o início da operação. Salehi, no entanto, não deu detalhes da dimensão das novas atividades nucleares. O documento restrito da AIEA indica que, pelo menos até agora, o país trabalha em escalas modestas de enriquecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.