Entenda o bloqueio de Israel a Gaza

Israel mantém restrições à navegação por estar em 'estado de conflito armado com o regime do Hamas'

estadão.com.br

31 Maio 2010 | 13h38

 

O governo de Israel mantém o bloqueio à Faixa de Gaza desde que o Hamas, grupo militante palestino, tomou o controle do território à força, em 2007. O Hamas não reconhece a existência do Estado de Israel e é considerado por este país, pelos EUA e pela União Europeia como uma organização terrorista.

 

Veja também:

linkNetanyahu cancela visita aos Estados Unidos

linkTurquia diz que Israel enfrentará 'consequências'

linkONU se reunirá para discutir ataque de Israel

linkComunidade internacional condena ataque

linkCineasta brasileira estava a bordo de frota atacada

blog Ataque deteriorará ainda mais imagem de Israel

video Veja imagens do ataque das tropas de Israel

 

Com o bloqueio, o governo israelense impões restrições de viagens e entrada de ajuda à Faixa de Gaza. Israel só permite a entrada de ajuda humanitária a Gaza através de pontos controlados na fronteira terrestre entre os territórios. No caso da Frota da Liberdade, o governo havia permitido o desembarque no porto de Ashdod, onde haveria revista da ajuda destinada ao território ocupado, mas avisou que não toleraria o ingresso de embarcações no espaço marítimo de Gaza.

 

Os organizadores da frota - o movimento Gaza Livre e a ONG turca Insani Yardim Vakfi - consideraram a sugestão de Israel de desembarcar no porto de Ashdod como "ridícula e ofensiva". "Seus bloqueios, seus 'canais oficiais' são o que estão causando a crise humanitária", disseram por meio de comunicado.

 

O major-general Eitan Dangot, o comissário-chefe para assuntos militares de Israel para territórios palestinos ocupados, disse que a política de Israel sobre o bloqueio era bastante clara. "Não vamos deixar nenhum barco atracar em Gaza enquanto o Hamas estiver no controle", disse o militar durante a semana, quando foram feitos os primeiros contatos entre a frota e os militares israelenses.

 

A especialista em leis humanitárias e marítimas do Ministério do Exterior israelense, Sarah Weiss, informou que o bloqueio marítimo está em vigor "porque Israel está atualmente em estado de conflito armado com o regime do Hamas" em Gaza. A justificativa dada por ela é de que "muitos os ataques feitos pelo grupo palestino contra o território israelense foram realizados com armamentos contrabandeados também pelo mar".

 

A ajuda humanitária enviada a Gaza é constituída de materiais para construção como concreto e metais, material escolar e outros bens. Os materiais para construção, porém, se tornou bastante restrito, já que Israel alega que o Hamas os usa como matéria prima para construir esconderijos e mísseis.

 

'Free Gaza'

 

O movimento Gaza Livre (Free Gaza, em inglês) tenta desde 2008 furar o bloqueio israelense ao enviar suprimentos para o território controlado pelo Hamas. A frota atual, composta por seis navios, carregava 600 passageiros e havia sido organizada por órgãos da Grécia, da Suécia, da Turquia e da Malásia.

 

O Gaza Livre, cuja sede está localizada em Nicosia, no Chipre, se descreve como uma grupo de direitos humanos com coordenadores internacionais e grupos afiliados na Grécia, na Alemanha, na Irlanda e na Escócia. A ONG é respaldada por figuras públicas de peso, como o arcebispo sul-africano Desmond Tutu.

 

Em agosto de 2008, dois pequenos barcos da comitiva do Gaza Livre viajaram de Piraeus, na Grécia, até um porto de Gaza. Em outubro, uma embarcação maior desembarcou no território levando medicamentos.

 

Várias outras viagens foram realizadas desde então, e muitas falharam devido a ação dos militares israelenses. Em 2009, um barco foi interceptado por Israel e levado até o porto de Ashdod, onde a ajuda humanitária foi recolhida e, segundo o governo, direcionada a Gaza por vias terrestres depois de passar por um controle de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.