Enviado dos EUA alerta para 'retrocessos' no Oriente Médio

George Mitchell diz que 'violência trágica em Gaza e no sul de Israel' reflete dificuldade para trégua duradoura

Reuters,

30 de janeiro de 2009 | 14h24

O enviado dos Estados Unidos ao Oriente Médio, George Mitchell, disse nesta sexta-feira, 30, que haverá mais retrocessos nas negociações de paz entre Israel e os palestinos. "A violência trágica em Gaza e no sul de Israel é um lembrete dos desafios sérios e difíceis e, infelizmente, retrocessos virão", disse George Mitchell em Jerusalém.    Veja também: Israel planeja novos ataques contra a Faixa de Gaza Premiê turco é recebido como herói após discutir com Israel Linha do tempo dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  História do conflito entre Israel e palestinos  Imagens das crianças em meio à destruição em Gaza        "O presidente Obama expressou sua profunda preocupação com as recentes mortes e o sofrimento substancial em Gaza", disse Mitchell depois de visitar um armazém da ONU, com alimentos destinados a Gaza. "É importante consolidar um cessar-fogo sustentável e duradouro, enquanto lidamos imediatamente com as necessidades humanitárias. E, então, precisamos progredir", disse o ex-senador.   "Os Estados Unidos continuam comprometidos em buscar, ativa e agressivamente, a paz duradoura entre Israel e os palestinos, assim como entre Israel e seus outros vizinhos árabes", continuou ele. Mitchell disse que Obama autorizou o envio de mais US$ 20 milhões em comida e assistência médica emergencial aos feridos e desalojados em Gaza - este valor se soma aos quase US$ 40 milhões que os Estados Unidos já enviam a vários grupos de assistência.   Israel lançou uma ofensiva em Gaza no dia 27 de dezembro, para forçar o grupo Hamas, que controla a Faixa de Gaza, a parar de atirar foguetes contra cidades ao sul de Israel. Cerca de 1.300 palestinos foram mortos, entre os quais mais de 700 eram civis, de acordo com um grupo em defesa dos direitos humanos em Gaza. Mais de 4 mil pessoas ficaram feridas e milhares, desabrigadas, depois que suas casas foram destruídas pelos bombardeios ou tanques.   Na ofensiva, apenas dez soldados israelenses morreram em combate e três civis israelenses morreram por causa dos foguetes. No dia 18 de janeiro, ambos os lados declararam um cessar-fogo. Um soldado israelense foi morto em um ataque militante no começo desta semana e as forças de Israel retaliaram, com um ataque aéreo que feriu 10 pessoas.   O episódio ameaçou o cumprimento do cessar-fogo. Nesta semana, Mitchell se reuniu com autoridades no Egito, Israel e na Cisjordânia ocupada, mas não visitou Gaza. Ele deve continuar sua missão, com encontros na Jordânia e na Arábia Saudita.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelHamasGazaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.