Equipe da TV Globo é seqüestrada pelo Hezbollah no Líbano

Correspondentes são interrogados e obrigados a embarcar para Londres após prisão por militantes xiitas

Da redação, estadao.com.br

19 de agosto de 2008 | 12h39

Os correspondente da Rede Globo no Líbano, Marcos Losekann e Paulo Pimentel, foram seqüestrados durante cerca de cinco horas por homens armados do Hezbollah, segundo informou reportagem do Jornal Nacional na noite de segunda-feira, 18. O jornalista e o cinegrafista foram interrogados e tiveram os equipamentos, celulares e documentos confiscados pelos militantes.   A equipe realizada uma reportagem sobre um restaurante de Beirute, que oferece sanduíches com nomes de armas e embalados em papel camuflado. O estabelecimento fica no centro de Dahiye, bairro controlado pelo Hezbollah, partido político xiita que possui um grupo armado. Os dois foram colocados em carros com cortinas, para impedir a identificação do trajeto, e interrogados sob a mira de armas.   Os correspondentes foram libertados depois de cinco horas, e obrigados a voltar a Londres no próximo vôo que partisse para a capital do Reino Unido. O Hezbollah permaneceu com os cartões dos celulares e a fita da câmera, embora não tenham percebido que a original tinha sido trocada durante a detenção.   A diplomacia brasileira, por meio de seu Consulado em Beirute, apresentou uma queixa formal contra a prisão dos jornalistas, que apresentaram credenciais de imprensa emitidas pela chancelaria libanesa. O governo libanês afirmou que não poderia tomar nenhuma medida contra o Hezbollah.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHezbollah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.