Escritor se nega a cumprimentar premiê em cerimônia em Israel

David Grossman passa direto por Olmert por culpá-lo pela morte do filho em ofensiva contra o Líbano em 2006

Efe,

08 de novembro de 2007 | 08h37

O escritor israelense David Grossman não quis cumprimentar o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, durante uma cerimônia na qual recebeu o Prêmio Emet de Arte, Ciência e Cultura, informou nesta quinta-feira, 8, a imprensa local. No evento que aconteceu na noite de quarta-feira, no Teatro Jerusalém, Grossman recebeu o prêmio e se recusou a estender a mão ao chefe do governo israelense e à presidente do Tribunal Supremo, Dorit Beinisch. Grossman perdeu o seu filho Uri durante o conflito com a milícia do Hezbollah no Líbano, em 2006. Alguns dias antes, ele fez parte de um grupo de intelectuais israelenses que pedia ao Executivo o fim da ofensiva no país vizinho e um cessar-fogo. Os organizadores da cerimônia de entrega dos prêmios sabiam que Grossman não tinha a intenção de apertar a mão de Olmert. O primeiro-ministro foi informado e não se aproximou do escritor. "Não aperto a mão do primeiro-ministro. Imagino que vocês entendam a razão", disse o autor, depois do evento. Num discurso no ano passado, Grossman afirmou que "neste momento não há rei em Israel, e a liderança está vazia". O Prêmio Emet, de US$ 1 milhão, é concedido pelo Escritório do primeiro-ministro e pela Fundação Alberto M. Nissim.

Tudo o que sabemos sobre:
David GrossmanIsraelOlmert

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.