Especialista químico da Al-Qaeda é morto, dizem fontes

Ataque de forças dos EUA na fronteira afegã mata Midhat Mursi al-Sayid Umar, afirmam oficiais paquistaneses

BBC,

28 de julho de 2008 | 16h18

Fontes do governo do Paquistão afirmaram nesta segunda-feira, 28, que o especialista em armas químicas da Al-Qaeda, Midhat Mursi al-Sayid Umar, foi morto em um bombardeio com mísseis na região da fronteira com o Afeganistão. O ataque teria sido promovido por forças americanas posicionadas no lado afegão.   Oficiais do Taleban na região tribal do Waziristão do Sul confirmaram à rede BBC que Umar foi morto no ataque, que matou ainda outras seis pessoas. Os Estados Unidos, que ofereciam uma recompensa de US$ 5 milhões por Umar, ainda não fizeram comentários.   Segundo a agência de notícias France Presse, oficiais do serviço de segurança paquistaneses afirmaram que o membro da Al-Qaeda teria sido morto em uma casa na região da fronteira com o Afeganistão.   A casa atacada, próximo à fronteira afegã, "era seu esconderijo e as informações que chegaram dizem que ele era o alvo do ataque", acrescentaram as fontes, falando sob anonimato. "O ataque foi perpetrado por forças da coalização (dirigida pelos EUA)", assegurou um oficial paquistanês, de acordo com informações da France Presse.   O membro da Al-Qaeda, um egípcio de 54 anos, conhecido também por Abu Khabab al-Masri, havia supervisionado campos de treinamento de terroristas no Afeganistão. Sua mulher e seus filhos também ficaram feridos no ataque, segundo oficiais paquistaneses.   Os militares americanos lançam mísseis nas zonas tribais paquistaneses desde que a coalizão internacional expulsou o Taleban do poder no Afeganistão no final de 2001. Muitos talebans se refugiaram no Paquistão, com combatentes da Al-Qaeda.   O Exército paquistanês declarou que iria esperar ter mais informações antes de confirmar a morte de Umar. Ele já havia sido dado como morto em janeiro de 2006, no disparo de um míssil na zona tribal de Bajaur, informação que posteriormente foi ratificada.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoAl-Qaeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.