Esposa de líder de grupo terrorista identifica corpo do marido

Confirmação põe fim aos boatos que diziam que Chaker Absi poderia ter escapado de um campo de refugiados

EFE

03 de setembro de 2007 | 05h37

O corpo do suposto chefe do grupo radical sunita Fatah al-Islam, Chaker Absi, que morreu ao tentar fugir do campo de refugiados de Nahr al-Bared, norte do Líbano, foi identificado nesta segunda-feira por sua mulher, disseram fontes militares. Esta confirmação põe um fim aos rumores que assinalavam desde domingo que Absi poderia ter escapado do Exército libanês, no final do assédio sobre Nahr al-Bared. As autoridades ainda tentam identificar no hospital geral de Trípoli mais milicianos mortos. O Exército libanês anunciou no domingo oficialmente a tomada de Nahr al-Bared, após 106 dias de duros combates com os islamitas do Fatah al-Islam. A "Al Jazira" exibiu imagens do suposto cadáver de Absi, um homem de aproximadamente 50 anos, com barba e cabelos escuros, e que tinha o rosto ainda ensangüentado. Fora do hospital, as imagens mostraram sua esposa, uma mulher coberta dos pés à cabeça com um manto negro. Os rumores sobre o destino de Absi começaram pouco depois da tentativa de fuga dos milicianos do Fatah al-Islam, na qual morreram cerca de 30 "jihadistas". Embora no princípio a imprensa libanesa tenha informado que Absi tinha conseguido fugir, o reconhecimento do corpo por sua esposa é interpretado pelas autoridades como a prova quase definitiva de sua morte.

Tudo o que sabemos sobre:
FatahLíbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.