Estado Islâmico executa 220 iraquianos de tribo opositora no Iraque

Militantes do Estado Islâmico executaram pelo menos 220 iraquianos em retaliação a uma tribo que se opôs ao seu avanço sobre territórios a oeste da capital Bagdá, disseram fontes de segurança e testemunhas.

RAHEEM SALMAN, REUTERS

30 de outubro de 2014 | 19h59

Duas valas comuns foram encontradas nesta quinta-feira com alguns dos 300 membros da tribo sunita Albu Nimr, que o Estado Islâmico rendeu nesta semana. Os prisioneiros, de idades entre 18 e 55 anos, foram executados à queima-roupa, afirmaram as testemunhas.

Os cadáveres de mais de 70 homens da tribo Albu Nimr foram desovados perto da cidade de Hit, na província de Anbar, bastião sunita no Iraque, de acordo com as testemunhas, segundo as quais a maioria das vítimas eram membros da polícia ou da milícia anti-Estado Islâmico chamada de Sahwa (Despertar).

“Encontramos estes corpos no início desta manhã, e militantes do Estado Islâmico nos disseram que 'aquelas pessoas são do Sahwa, que combateram seus irmãos do Estado Islâmico, e esta é a punição de qualquer um que combata o Estado Islâmico’”, disse a testemunha.

Os insurgentes haviam ordenado aos homens da tribo que abandonassem seus vilarejos e fossem para Hit, 130 quilômetros a oeste de Bagdá, prometendo-lhes “passagem livre”, afirmaram líderes tribais. Em seguida foram capturados e fuzilados.

Uma vala comum próxima da cidade de Ramadi, também na província de Anbar, continha 150 membros da mesma tribo, disseram autoridades de segurança.

A milícia Despertar foi criada com incentivo dos Estados Unidos para combater a Al Qaeda durante a escalada na ofensiva dos EUA em 2006-2007.

Washington, que não tem mais tropas terrestres no Iraque mas fornece apoio aéreo, espera que o governo consiga refazer sua aliança frágil com as tribos sunitas, especialmente em Anbar, que agora está quase totalmente dominada pelo Estado Islâmico, também sunitas que seguem uma versão linha-dura do islamismo.

Mas líderes tribais sunitas se queixam de que o primeiro-ministro xiita, Haider al-Abadi, não cumpriu a promessa de enviar armas para eles combaterem as metralhadoras, rifles de precisão, granadas impulsionadas por foguetes e tanques do Estado Islâmico.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEESTADOISLAMICOEXECUCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.