Estado Islâmico roubou 1 milhão de toneladas de grãos, diz Iraque

O Iraque acredita que militantes do Estado Islâmico roubaram mais de um milhão de toneladas de grãos do norte do país, levando a carga para duas cidades que controla na vizinha Síria, disse o ministro da Agricultura nesta terça-feira.

REUTERS

18 Novembro 2014 | 12h42

Falah Hassan al-Zeidan afirmou em um comunicado publicado no site do Ministério da Agricultura no domingo que o governo "tinha informação sobre o tráfico por gangues do Estado Islâmico de mais de um milhão de toneladas de trigo e cevada da província de Nineveh para as cidades sírias de Raqqa e Deir al-Zor."

A Reuters não pôde verificar a informação.

Ao invadir o norte do Iraque em junho, o Estado Islâmico rapidamente assumiu o controle sobre silos de grãos nas províncias de Nineveh e Salahadeen, onde costuma-se plantar cerca de um terço das plantações de trigo e 40 por cento das de cevada do Iraque.

O ex-diretor da Câmara de Grãos do Iraque disse à Reuters em agosto que militantes do Estado Islâmico tinham capturado entre 40 mil e 50 mil toneladas de trigo das províncias de Nineveh e Anbar, ao norte, transferindo a carga para moagem na Síria.

No entanto, não há conhecimento preciso sobre o quanto de trigo foi roubado durante o verão pelos militantes, à medida que eles expulsavam centenas de milhares de pessoas --incluindo fazendeiros-- de suas propriedades, no que chegou a ser considerado um expurgo da diversidade étnica e religiosa na região.

A ofensiva dos militantes coincidiu com a colheita da estratégica plantação de trigo da área. Muitos fazendeiros não conseguiram vender sua produção ao governo ou a compradores privados devido ao conflito.

O Estado Islâmico almeja tornar seu autoproclamado califado autossuficiente.

O ministro disse que os militantes consideram as cidades no leste da Síria como "seguras para eles" e por isso transferiram para lá o trigo e a cevada de Nineveh.

(Por Maggie Fick)

Mais conteúdo sobre:
IRAQUESIRIAGRAOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.