EUA admitem que prisão de iranianos foi um erro

Exército americano diz que prisão de 8 iranianos foi ''incidente lamentável''.

BBC Brasil, BBC

29 de agosto de 2007 | 10h09

O Exército americano admitiu o que chamou de um "incidente lamentável" depois de haver prendido um grupo de oito iranianos na capital do Iraque, Bagdá. Os iranianos foram detidos em um posto de controle de madrugada, e libertados nesta quarta-feira, depois que o governo iraquiano decidiu intervir. O governo do Irã disse que os homens detidos estavam na cidade a convite do governo do Iraque, e que a ação americana foi injustificada. Saadi Othman, assessor do general David Petraeus, comandante das forças americanas no Iraque, disse à BBC que os Estados Unidos reconheceram que os iranianos estavam no Iraque a serviço do governo local e chamou o ocorrido de "incidente lamentável". Segundo Othman, o incidente não tinha "nada que ver " com o discurso do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, na terça-feira, emq ue o líder criticou duramente o Irã por sua suposta interferência no Iraque. Os homens tinham sido presos durante a madrugada e detidos quando estavam na companhia de sete iraquianos que portavam armas sem autorização na noite de terça-feira, de acordo com o Exército americano. Segundo os militares, uma metralhadora AK-47 e duas pistolas foram confiscadas dos iraquianos. O grupo foi levado, em seguida, para o hotel Sheraton Ishtar, onde tropas americanas deram buscas nos quartos dos iranianos, confiscando um computador, telefones celulares e uma valise cheia de dinheiro. Os iranianos foram, então, levados para interrogatório, e imagens de um vídeo mostram os soldados levando-os algemados e de olhos vendados.  Todos foram entregues, depois, para o governo iraquiano. Foi divulgado que os homens são especialistas em energia e estavam na capital iraquiana para ajudar a reconstruir a rede local de eletricidade. Dois deles tinham documentos diplomáticos.  O Irã disse que está preparando um protesto formal para apresentar ao Iraque. As prisões foram realizadas depois de um discurso do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em que ele criticou o que chamou de interferência iraniana no Iraque. Mas Othman disse à BBC que a detenção dos iranianos não "tinha nada a ver" com o discurso de Bush. As autoridades americanas acusam os iranianos de fornecer armas, dinheiro e treinamento militar para insurgentes xiitas no Iraque. Bush disse que autorizou seus comandantes militares no Iraque a confrontar o que chamou de "atividades assassinas" no país. "As ações do Irã ameaçam a segurança de nações em toda a parte. Nós vamos confrontar este perigo antes que seja tarde demais", disse o presidente americano. O presidente também disse que toda a região estará sob a sombra de um "holocausto nuclear" se o Irã desenvolver armas nucleares. As autoridades iranianas dizem que seu programa nuclear tem fins pacíficos. Anteriormente, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse que o poder americano no Iraque está em vias de ruir e isso levará a "um enorme vácuo" que o Irã está desejoso de preencher. Em janeiro, cinco iranianos, que os Estados Unidos dizem estarem ligados à Guarda Revolucionária do Irã e que estariam no Iraque para treinar militantes - foram capturados na cidade de Irbil, no norte do país. Eles ainda estão sob custódia americana.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.