Wael Hamzeh/Efe
Wael Hamzeh/Efe

EUA dão 6 meses para Israel congelar assentamentos, diz França

Washington não apoiará processos de paz se construções continuarem, afirmou o chanceler Bernard Kouchner

Associated Press,

11 de julho de 2009 | 11h38

Os Estados Unidos concederam a Israel um prazo de seis meses para congelar todas as construções de assentamentos na Cisjordânia, disse o ministro francês de Relações Exteriores, Bernard Kouchner, durante visita oficial a Beirute, capital do Líbano.

 

A informação, da rádio Israel, cita uma reportagem publicada neste sábado, 11, no diário libanês an-Nahar. De acordo com o jornal, Kouchner disse a oficiais libaneses que os Estados Unidos poderiam ampliar o prazo de seis meses, porém Washington não apoiará novos processos de paz caso Jerusalém continue a construir assentamentos.

 

Na sexta-feira, 10, Kouchner se reuniu com um parlamentar do Hezbollah, na mais recente aproximação europeia com o grupo militar apoiado pelo Irã. A União Europeia e a Inglaterra também procuraram se aproximar do grupo nos últimos meses para encorajá-lo a abandonar a violência e desempenhar um papel político construtivo no país profundamente dividido. Os Estados Unidos, porém, evitam o Hezbollah, por considerá-lo uma organização terrorista.

 

O grupo sofreu um derrota nas eleições parlamentares libaneses de 7 de junho para a coalizão apoiada pelo ocidente que ganhou a maioria das cadeiras.  O primeiro-ministro designado, Saad Hariri, porém, está tentando formar um governo que incluiria o Hezbollah e seus aliados, apesar de que alguns aliados de Hariri estão prometendo tirar o poder de veto do Hezbollah que ele detinha no governo anterior.

 

Kouchner defendeu seu encontro com o Hezbollah, que lutou em 2006 a segunda guerra do Líbano com Israel e armado e treinado pelo Irã. "O Hezbollah é parte dos partidos que participaram das últimas eleições parlamentares e é normal encontrar com seus representantes", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Bernard Kouchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.