EUA dão US$13 milhões para recuperar museu saqueado no Iraque

O governo dos Estados Unidos anunciou que dará 13 milhões de dólares para ajudar a redecorar o Museu Nacional do Iraque, saqueado após a invasão do país, em 2003, informaram autoridades norte-americanas. A secretária-assistente de Estado para Assuntos Culturais e Educacionais, Goli Ameri, anunciou o projeto em uma coletiva de imprensa com autoridades iraquianas, feita dentro das instalações do museu, ainda fechado para o público. O patriomônio arqueológico do Iraque está entre os mais ricos do mundo e inclui tesouros de milhares de anos da civilização mesopotâmica -- a maioria desses bens fica no Museu Nacional de Bagdá. As forças norte-americanas sofreram críticas generalizadas logo após a invasão, por terem falhado em prevenir o roubo de relíquias do museu, enquanto outros locais, como o Ministério do Petróleo, receberam segurança. "Este é um investimento não só na herança cultural iraquiana, mas na herança cultural mundial", disse Ryan Crocker, embaixador norte-americano no Iraque. O dinheiro será usado para projetos de treinamento em arqueologia e na restauração do museu. Mais de 15 mil artefatos sumiram do museu durante os saques, mas cerca de 6 mil itens foram devolvidos. A violência no Iraque tem caído, e outras atrações culturais também estão sendo reabertas, mas o museu ainda tem de ser remobiliado antes de poder ser aberto ao público. As autoridades norte-americanas e iraquianas não deram um prazo para a reabertura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.