EUA detêm iraniano sob acusação de terrorismo no Iraque

Segundo Exército, ele seria membro da Guarda Revolucionária; Irã afirma que preso estava em missão comercial

Agências internacionais,

20 de setembro de 2007 | 19h07

O Exército dos Estados Unidos deteve nesta quinta-feira, 20, um iraniano acusado de transportar bombas para dentro do território iraquiano e treinar terroristas estrangeiros, mas autoridades iranianas e do próprio Iraque afirmam que o homem era membro de uma delegação comercial. Os soldados revistaram um hotel no norte do Iraque, na província de Sulaimaniya, e levaram o homem sob custódia, acusando-o de ser um membro da Força Quds da Guarda Revolucionária do Irã. Fontes policiais de Suleimaniya confirmaram que soldados americanos detiveram uma delegação de três iranianos que fazia uma visita oficial à província. O Exército americano informou em comunicado a detenção de um oficial da Guarda Revolucionária iraniana na mesma província, mas não especificou se este fazia parte da delegação. Segundo a nota do comando dos EUA, o iraniano detido é oficial de uma brigada da Guarda Revolucionária - especificamente das Brigadas de Jerusalém - e estaria envolvido no treinamento de terroristas estrangeiros e de facilitar sua entrada no Iraque. Além disso, esta pessoa participou do tráfego de artefatos explosivos e de bombas ao Iraque, acrescentou o texto. A polícia iraquiana indicou que soldados americanos cercaram no começo da manhã um hotel no centro de Suleimaniya, onde detiveram três iranianos, que estavam no Iraque com o objetivo de realizar negociações comerciais. As forças dos EUA os detiveram sem dar nenhuma explicação sobre a detenção, acrescentaram as fontes iraquianas, afirmando que a prisão ocorreu sem nenhuma coordenação com os departamentos de segurança e de administração em Suleimaniya. Além disso, alguns veículos de comunicação iraquianos indicaram a possibilidade de que um dos membros da delegação iraniana pertença aos serviços de inteligência do Irã, enquanto outro poderia ser um responsável administrativo do município iraniano de Qasr-e-Shirin, perto da fronteira com o Iraque. Para o Exército dos EUA, as Brigadas de Jerusalém são uma força secreta que depende do governo iraniano e são responsáveis por realizar atentados contra o Executivo iraquiano e as tropas da coalizão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.