EUA devem treinar guarda presidencial do Fatah

Acordo reforça apoio americano ao governo palestino do presidente Mahmoud Abbas, baseado na Cisjordânia

Reuters,

19 de agosto de 2007 | 18h31

Funcionários da segurança diplomática dos EUA vão começar a treinar a guarda presidencial palestina este ano, num esforço para apoiar o governo do presidente Mahmoud Abbas, anunciou o Departamento de Estado no domingo.   Sob um acordo assinado este mês pela secretária de Estado Condoleezza Rice e pelo primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, oficiais da guarda presidencial farão cursos e exercícios de proteção de figuras VIP com o Birô de Segurança Diplomática do Departamento de Estado.   Rice visitou a Cisjordânia no início de agosto, seis semanas depois de o Hamas islâmico ter assumido o controle da Faixa de Gaza, para dar apoio a Abbas e seu governo do Fatah, além de promover uma conferência de paz no Oriente Médio apoiada pelos EUA neste ano.   O treinamento dos guardas terá lugar entre o outono americano e o início de 2008 e faz parte dos esforços dos EUA para reforçar o setor de segurança palestina e a ordem, disse o Departamento de Estado em comunicado.   O programa visa ajudar a Autoridade Palestina a "garantir segurança para a população palestina, combater o terrorismo, reforçar a confiança entre os partidos e, em última análise, satisfazer as necessidades de segurança de palestinos e israelenses."   Os recursos para o treinamento de segurança fazem parte de uma verba de US$ 80 milhões que a administração Bush prometeu para reforçar as forças de segurança palestinas.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAtreinamentoPalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.