EUA dizem que Irã deve suspender testes com mísseis

Rice diz que ameaça de Teerã não é imaginária; governo afirma que lançamento isola ainda mais os iranianos

Agências internacionais,

09 de julho de 2008 | 06h47

Os Estados Unidos exigiram nesta quarta-feira, 9, que o Irã não realize novos testes de mísseis após o lançamento de um novo foguete com alcance de 2 mil quilômetros, distância capaz de atingir Israel. Na Bulgária, a secretária de Estado americana, Condeleezza Rice, advertiu que os exercícios iranianos demonstram "que a ameaça do regime de Teerã não é imaginária".   Veja também: Irã testa míssil que pode alcançar Israel  Para Obama, Irã é 'ameaça'; McCain defende escudo antimíssil    O Irã anunciou que testou "com sucesso" um novo míssil durante as manobras que unidades navais e aéreas da Guarda Revolucionária iraniana realizam no Golfo Pérsico. Segundo o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Gordon Johndroe, o desenvolvimento por parte do Irã de mísseis balísticos "é uma violação das resoluções da ONU e algo completamente inconsistente com as obrigações do país ao mundo".   Johndroe afirmou que este tipo de testes "consegue somente aumentar o isolamento do povo do Irã". "O Irã deve desistir de novos testes de mísseis se quiser realmente a conquistar a confiança do mundo", insistiu o porta-voz americano. Além disso, Johndroe exigiu que Teerã interrompa "imediatamente" o desenvolvimento de mísseis balísticos que possam ser usados no lançamento de uma bomba nuclear.   Fontes militares, citadas pela imprensa oficial, afirmaram que o novo míssil, Shihab-3, pesa "uma tonelada e possui tecnologia avançada". As fontes asseguraram que os soldados "lançaram esta manhã, durante as manobras, outros mísseis balísticos de longo alcance". O anúncio iraniano acontece depois das ameaças do país de "queimar" Israel e a força naval dos EUA no Golfo Pérsico caso suas instalações atômicas sejam atacadas por esses dois países.   Matéria atualizada às 8h50.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.