EUA e Afeganistão assinam acordo para permanência de tropas após 2014

EUA e Afeganistão assinam acordo para permanência de tropas após 2014

Cerca de 12.000 soldados estrangeiros devem ficar no país para treinar e ajudar as forças de segurança afegãs

KAY JOHNSON, REUTERS

30 de setembro de 2014 | 15h09

Autoridades do Afeganistão e dos Estados Unidos assinaram nesta terça-feira um bastante aguardado acordo de segurança para permitir a permanência de tropas norte-americanas no país após o fim do ano, cumprindo uma promessa de campanha do novo presidente afegão, Ashraf Ghani.

O assessor de segurança nacional do Afeganistão, Hanif Atmar, e o embaixador dos EUA, James Cunningham, assinaram o acordo bilateral no palácio presidencial, em uma cerimônia transmitida pela televisão, um dia após Ghani tomar posse.

"Como um país independente... nós assinamos esse acordo para a estabilidade, o bem e a prosperidade do nosso povo, a estabilidade da região e do mundo", disse Ghani em discurso após a assinatura do acordo.

O antecessor de Ghani, Hamid Karzai, recusou-se durante bastante tempo a assinar o acordo, o que afetou as relações do Afeganistão com os Estados Unidos. Karzai citava sua indignação com as mortes de civis e afirmava que a guerra não era do interesse do país.

Sob os termos do acordo, cerca de 12.000 soldados estrangeiros devem ficar no país para treinar e ajudar as forças de segurança afegãs após o encerramento formal da missão militar liderada pelos EUA e de sua missão de combate, no fim de 2014.

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse em comunicado que o acordo reflete a continuidade do apoio dos Estados Unidos ao governo de unidade do Afeganistão.

"Nós esperamos trabalhar com esse novo governo para consolidar uma parceria duradoura que fortaleça a soberania, estabilidade, unidade e prosperidade do Afeganistão, e que contribua para nosso objetivo compartilhado de derrotar a Al Qaeda e suas afiliadas extremistas", afirmou.

O embaixador Cunningham disse que o acordo mostra que os Estados Unidos permanecem comprometidos com o Afeganistão, onde tropas estrangeiras têm ajudado na segurança desde a derrubada em 2001 do governo radical islâmico do Taliban por ter dado abrigado aos planejadores dos ataques de 11 de Setembro.

"É uma escolha dos Estados Unidos de continuar cooperando com nossos parceiros afegãos em duas missões importantes de segurança: treinar e equipar as forças afegãs e apoiar a cooperação contra o terrorismo", disse Cunningham.

Minutos após o acordo de segurança ter sido assinado, um pacto similar com a Otan foi ratificado para permitir que os membros europeus da aliança contribuam com uma força estrangeira residual no Afeganistão.

(Reportagem de Kay Johnson)

Mais conteúdo sobre:
AFEGANISTAOEUASEGURANCAACORDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.